Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Balada

Lhe tomo num trago
de doce absinto
é forte o afago
da fome que sinto.

Lhe traço num rasgo
do quarto bonito
e quero num rastro
sorver o seu grito

Lhe faço calada
na palma da mão
e ponho de quatro
por puro tesão

Sou doce cilada
pro seu coração
um belo retrato
de vil perversão

Eu não peço nada
nem mesmo perdão,
lhe pego num ato
e jogo no chão.







Enviar um comentário