Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

quinta-feira, 13 de junho de 2019

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Um companheiro indesejado

Um garoto que tinha um bicho de estimação, mas ele próprio não sabia que tinha um! Ninguém jamais contou isso para ele e nem o próprio a educação de se apresentar.

Era um bicho Travessos um humorista de primeira cheio de ideias fervilhantes e até às vezes sem noção.

Em algumas situações pregava peças maldosas e até perigosas para o seu dono e dele não desgrudava um segundo sequer!

Ele se divertia muito escondendo-lhe  as chaves de casa apagando as anotações de sua agenda, marcando como lidas umas mensagens que seu dono sequer tinha lido no celular. 

Seu bicho de estimação fazia seu dono olhar para um pombo branco e se esquecer de atravessar no sinal verde aberto para pedestres e não ver o Fusca azul vindo na esquina... Que perigo!

Chegava ali prender na cama sussurrando: "só mais 5 minutos" por 10 vezes seguidas para então se divertir com seu dono se arrumando apressado e totalmente atrasado para justo nesse momento trocava o par de meias dos sapatos (ou mesmo os próprios sapatos!) e lá ia seu seu dono rua afora com um de cada cor...

O bicho chegava até a fazer seu dono passar por mal educado fazendo ele passar do lado de um colega e não vê-lo porque o bicho mostrou que a cor da luz do sol refletida na vitrine e era muito mais legal e assim o bicho de estimação fazia seu dono olhar para luz e nem ver seu colega.

Seu bicho era particularmente maldoso com seu dano quando o assunto era o pessoas que seu dono sentia vontade de estar perto e pior agia quando seu dono sentia desejo por alguém.

Sempre o distraía  quando aquela pessoa legal lhe fazia um gesto gentil, lhe fazendo esquecer de agradecer ou colocava uma mosca voadora super interessante para que o seu dono não visse que lhe chamaram para se sentar junto no ônibus de volta para casa.

Seu bicho de estimação o fazia  perder o controle dele mesmo pois fazia ele acumular tantos "nãos" tantas frustrações que para todo mundo quando eles explodia de raiva "só por ter perdido a Chaves" era "só por ter perdido as chaves".

Ninguém sabia que seu bicho  já tinha escondido também por pura brincadeira seus cadernos, carteira, celular, documentos, óculos, livros, lápis, estojo, borracha e tudo mais que pudesse por suas mãos artreiras.

E também as mesmas chaves mais dez vezes só só naquele dia e já era, sem exageros, a centésima vez no mês que as escondia e eles ainda estavam no dia quinze...

quinta-feira, 6 de junho de 2019

Terreno Fértil

Sou jardineiro da última flor do lácio
um coveiro nada culto tampouco belo
que cava com as próprias mãos o seu espaço
não sou ourives, me cai melhor o rastelo

Dessa terra bruta hei de tirar o macio
fruto cultivado e que tanto tanto espero
Pois do campo sou devoto e nele que crio
a fome de juntar sua foice ao martelo

Das cidades onde vivo do meu país
expatriado, apertado e apartado
num apartamento que ainda fala minha língua

Mas que nada me responde ou me diz
e pelas mitomaníacas condenado
sem resposta ou pergunta e sempre à míngua