Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

sábado, 21 de maio de 2022

Cecília,

Peço desculpas por falhar e não conseguir controlar meu impulso de falar contigo, de lhe procurar. Eu sinto brutalmente sua falta, todos os dias acordo e vou dormir pensando em ti.  Isso me angustia, me faz não dar conta de mim mesmo. Todo dia que consigo não falar, não lhe procurar, não buscar saber de você é uma vitória, uma batalha imensa que faço contra mim mesmo. É extremamente doloroso, extremamente cansativo. E nada vem como recompensa disso, só mais sentimento de falta, mais ausência. Mais um livro que leio e os protagonistas me lembram da gente, mais um filme que vejo e idem, mais uma história que ouço, mais um acontecimento político que vejo e gostaria de poder contar para você. É todo dia uma coisa nova, uma ideia nova que queria compartilhar e vou guardando tudo na minha memória da mesma maneira que não consigo jogar fora seu vestido que veio numa das caixas da mudança do Rio.  É absurdo como tanto tempo passa e eu continuo, continuo sem conseguir lhe esquecer, escrevendo poemas para tentar expurgar da minha cabeça esses pensamentos, rondós, sonetilhos, trioles, baladas, sonetos, trovas e quadras. Cada dia uma forma nova para dizer desse sentimento antigo. Desculpe por não ser forte, por não conseguir evitar sempre de lhe procurar pois se erro um dia é porque venci essa vontade todos os outros. Pois você está comigo o tempo todo e a palavra saudade é pouca pra descrever tudo que sinto. Desculpe por eu ser quem sou. 

quarta-feira, 18 de maio de 2022

Frente Fria

Pois quantas ruas morreram
nesta madrugada fria?
e quantos olhos cansados
perderam seu último brilho?

Já você quente no lar
quantos cobertores negou
com seu voto de indiferença?
com seu olhar pro outro lado?

Quantas vidas a paixão
(ou o ódio) assassinaram
nesta madrugada fria?
Você consegue contar?

Você consegue contar
com seu conforto e paz
de quarto, cama e tevê
mas não é sobre você

Você consegue contar
nesta madrugada fria
os quantos olhos cansados
perderam o último brilho?

segunda-feira, 2 de maio de 2022

domingo, 10 de abril de 2022

Acaso calculado

Poeta tratante
é certo: poema
feito de rompante
tem uns mil rascunhos

quinta-feira, 3 de março de 2022

Cuco quem?

Em meu ninho ela repousa
a doce cuco canora
saliva a saliva da outra
e lambe minhas bolas

terça-feira, 22 de fevereiro de 2022

Beijos pra poesia

Estava eu voltando, de ônibus, da Lapa para casa de madrugada, no Rio de janeiro, Vi uma moça chorando sentada no fundo do ônibus. Tímido, eu não teria coragem de falar com ela. Mas isso não me impediu de tentar fazer algo. Saquei um dos meus livretos de poesia (ainda eram xerocados na época) e entreguei para ela. De início ela recusou dizendo que não tinha dinheiro. Eu lhe disse que era um presente e fui me sentar lá na frente perto do trocador, não pude nem ver se ela realmente estava lendo meus versos. Chegou meu destino, dei o sinal e desci. Quando o ônibus arrancou e passou por mim, ela abriu a janela e me lançou um bilhete lotado de beijos dizendo "a arte ainda vai salvar o mundo!!!" 

Duda, Por onde andará você?

domingo, 20 de fevereiro de 2022

haicai

Noite japonesa
tem sushi,sakê e shibari,
comcorda princesa?

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2022

quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Sujeito Erroso

A cada momento
e por todo instante
eu lamento e tento
seguir adiante
contando meu aperro
calando meu berro

No fio infiel
do meu sacramento
nas juras de níquel
de arrependimento
pois sou eu amante
duma dama errante

Nem no nunca mais
sou inverossímil
sem risos ou ais
uma lenda ao léu
nem tocam os ventos
de mil e oitocentos

O meu calafrio
é nunca ter cais
mas tenho o delírio
de dominicais
manhãs de mel 
pipa e carretel

Serei só miragem
na curva do rio
sou terceira margem
um nem-ser-se-viu
d'olhos lacrimais
sem nada demais

sem mirada verde
sem pele alva e virgem
sem cama ou rede
um velho em vertigem
que sempre ouviu
ene, a, o, til

de tudo e todos
pois a mim sucede
sortidos engodos
que quase me fede
desde minha origem
com ferro e fuligem

Mas jamais que enterro
meu sonho no lodo
tal quem não é bezerro
muito menos touro
pois eu sou quem ferve
o inferno e lhe bebe

E nada garante
que esse meu desterro
não é sem sextante
sem bússola só erro
exílio sem êxodo
soldado sem soldo 

Insônia

A lua no espelho da penteadeira
a milhares de milhas enxerga
(e talvez se veja orgulhosa de si,
mas ela nunca, nunca se alegra)
além ou longe de se deitar, ou
talvez daquelas que dormem de dia.

Se seu Universo virasse vazio,
ela o mandaria ao inferno,
e acharia um olho d'água,
ou um espelho, para morar
teceria pra si seu casulo
e cairia em sua gruta

nesse mundo ao avesso
onde esquerda é direita,
onde sombra é corpo,
onde não nos deitamos à noite,
onde o céu é raso como o mar
é profundo, e você me ama.

Tradução do poema Insomnia de Elizabeth Bishop

terça-feira, 18 de janeiro de 2022

Shaninha

Shaninha, serviçal da senhorita Lula, jaz em cálcio
preta, de branco, ela desceu
abaixo da superfície do recife de coral.
Sua vida dispensou
cuidando da senhorita Lula, por sua surdez,
Na cozinha comiam seu jantar, ela na pia 
enquanto Senhorita Lula comia na mesa.
As nuvens foram de branco para o funeral
e os rostos de negro

Esta noite o brilho da lua alivia
o derreter das rosadas rosas de cera 
plantadas em latas de areia
perfiladas para a perda da Senhorita Lula;
mas quem gritará e a fará ouvir?
Na procura por terra e mar de outra pessoa
o farol vai descobrir onde Shaninha jaz
para apenas ignorá-la; o mar, revolto,
lhe ofertando onda após onda.


Tradução do poema Cootchie de Elizabeth Bishop




quarta-feira, 5 de janeiro de 2022

Na ponta dos dedos

Todo, todo dia cê fuma
às quatro e vinte da tarde
E em mim a larica apruma
pra ver-te de quatro e me arde
como brasa essa vontade:
sê a fumaça que te invade