Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

Mostrar mensagens com a etiqueta Quadras. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Quadras. Mostrar todas as mensagens

domingo, 12 de novembro de 2023

Trilho do Trem

Seu Zé me sirva 
uma dose de dia
da prateleira mais alta
do seu armazém 

Calados respondemos
o que não valia perguntar
batizados sem nome
sem chuva sem flores

Os não ditos de nós
ficaram sem depois
sem sinal de celular
sem pra onde olhar

Seu Zé me sirva 
uma dose de dia
da prateleira mais alta
do seu armazém

a cabeça bate no peito
descompassa maldita
e descarrilha na trilha
errada de Dylan e Raul

Sou cão de duas cabeças
sem eira nem coleira
que errante lhe mira
e lhe admira admita

Seu Zé me sirva 
uma dose de dia
da prateleira mais alta
do seu armazém 

bate o sino
mais uma dose
suas piadas
suas artes

bate o sino
mais um gole
sem gelo
sem analgésico

segunda-feira, 15 de maio de 2023

Passeio paraíso

Estou eu no paraíso:
dos dedos entrelaçados, 
na boca meu puro riso
e vestido bem florado.

Estou eu no paraíso:
do passaro e seu cantado,
com meu gemido bandido,
que me acabo e aterriso...

Estou eu no paraíso:
dos meus joelhos ralados, 
do meu ninho bem plugado,
onde tremo sem aviso!

Estou eu no paraíso:
dos meus passos bem contados,
no seu carinho querido,
que lhe lambo até seu piso...

Estou eu no paraíso:
do pescoço encoleirado,
do meu orgulho preciso,
que lhe dá todo cuidado!

terça-feira, 18 de abril de 2023

Me toca

Ela  puxa pela vista
paro, penso e me pergunto
pela mais bela passante 
que Baudelaire jamais veria

Ela está aqui, nos trópicos
de outono tão quente
de verão quase infernal
aqui a passante é Preta

Ela seu piano toca 
numa multiplicidade
como alguém feliz que dança,
e brinca pronta pra próxima
 
Ela tem o tempo certo
feito de Poesia e Música
nas assonâncias e versos
co'a Melodia alinhavada

Ela é sim minha cidade
tão mais bela que Veneza
ou qualquer das muitas outras 
que conta e canta Calvino

Ela toda é Musa e Música 
Musicista? Não! Metrópole
cujo ser confunde bem  
meu estar co'encantos e acordes 




quarta-feira, 18 de maio de 2022

Frente Fria

Pois quantas ruas morreram
nesta madrugada fria?
e quantos olhos cansados
perderam seu último brilho?

Já você quente no lar
quantos cobertores negou
com seu voto de indiferença?
com seu olhar pro outro lado?

Quantas vidas a paixão
(ou o ódio) assassinaram
nesta madrugada fria?
Você consegue contar?

Você consegue contar
com seu conforto e paz
de quarto, cama e tevê
mas não é sobre você

Você consegue contar
nesta madrugada fria
os quantos olhos cansados
perderam o último brilho?

quarta-feira, 29 de setembro de 2021

espelho

É você espelho casto de mim
que do meu fogo compartilha
na balada dum bandolim
meu amor meu, minha Cecília

Em cada toque dos meus dedos
uma nota, um suspiro, um ai
rezando por todos os credos
e pecados que tanto atrai

a fome que une nosso fim
nosso parnaso, nossa idília 
nossos nãos e no nosso sim
somos nós Dirceu e Marília

Por tanto tempo os Segredos
guardamos como alguém que cai
numa armadilha de brinquedo
agora diz, como a gente sai?

sábado, 15 de maio de 2021

Eu não queria te dizer

Sou meu vendaval:
o meu pé de vento
serve de sustento
pruma flor astral

São rosas de vidro
que contra meu peito
quebram e me cortam
com amor e doçura

Gotas de meu sangue
mancham minha blusa
branca de algodão
que a fome recusa

Sexo na varanda
e macarronada
Beijos pra torcida
e fim da estrada

quarta-feira, 31 de março de 2021

Prum poema apaixonado

Tenho guardado meu verso
bem medido bem contado
de modo que não esqueço
prum poema apaixonado

Minha frente meu avesso
nos dedos escancionado
em lirismo todo imerso
prum poema apaixonado

Leio, releio, converso
que é tesouro lapidado
com seu brilho mais intenso
prum poema apaixonado

São palavras ao acaso
como quando jogo um dado
que abole o gosto e o senso
prum poema apaixonado

sexta-feira, 5 de março de 2021

Minha cobiça

Sente-se mais viva
nas juras eternas
sabor de saliva
pernas entre pernas

Você me vicia
com sede, com fome
e com a volúpia
intensa sem nome

sua mão vazia
trêmula nas minhas
em forte carícia
como ervas daninhas

Que brotam vizinhas
na veia a semente
feita verso e linha
amor simplesmente

num pulso pungente
o não entre o sim
que na cama prende
você feita pra mim

Não diz que não sente
o gosto do gin
que logo se rende
tão cativa no fim

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021

Camilla

Eu conheci uma garota
o seu nome era Camila
uma Menina direita, 
uma Menina tranquila

o seu chá de camomila
bolado pro punk na certa
olhos rubros de neblina
mocinha muito da esperta

e nos lábios de Camila
- a blusa o mamilo alerta -
os dedos faziam fila
no anexo à praça liberta

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Pena dos poemas

Bem eu não espero
sou só desespero
Não por mim mas sim
por quem o seu fim

Vem pelo milico
servindo o rico
cidadão de bens
posses e amens

No fio do esmero
sádico e sincero
Virá tal marfim
sangrando o capim

Pisando na grama
com força da grana
e nos corpos pretos
pardos, mulatos

Nossos nativos
mais mortos que vivos
serão só retratos
dos livros mais gastos

Fica sem história
sem uma memória
do que nós tentamos
sem flores, só danos

sábado, 4 de novembro de 2017

Nos seus cabelos eu sou

És minha Sóror Safada:
Princesa do Pecado
És Tara Canonizada;
do desejo e desejado

És minha amante amada
c'o perverso costurado
na sua saia rodada,
no lençol desarrumado

És cabocla santificada
seu hábito desnudado
lhe veste desejada
plo poeta descuidado

És minha doce alucinada
no meu amor delirado
És minha sua tez marcada
no quarto banqueteado

És Santa és abençoada
Flora dum jardim encantado
Pois sou Fauno desta estrada
dentre campo fecundado

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Biográfico trinta

Sou, eu, verme inconformado
contrafeito querubim
d'arco e flecha despojado
maçã de gosto ruim

Mão perna e pé aprisionado
sob a pena de Aladim
de querer certo e errado
pelo não é pelo sim

Meu peito despedaçado
sem pó de pirim pim pim
tecido grosso rasgado
costurado com cetim

Deixo meu grito calado
quero ir embora de mim
não me quero nem assado
e muito menos assim

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Iminente

Então você anima
Fazer poema-repente
Um gole por rima
de fina aguardente

Não se subestima
a língua vidente
Que se desatina
no verso excelente

Vamos num clima
pra lá de excelente
Que não subestima
esse desejo latente

Parte masculina
que jaz eloquente
Parte feminina
faminta, saliente

quinta-feira, 10 de março de 2016

Celerado

Os meus versos desgraçados
não surgem dum elogio
duma alegria em seu cio
mas do choro derramado

Eu que jamais me sacio
tenho um peito carregado
de desejos afogados
nas lágrimas quando rio

Cada verso desalmado
é chuva no meu estio
mamilo que acaricio
num momento emprazerado

Sou errado, vil e vadio
um pedaço mal calculado
perverso desmascarado
que faz dos erros seu fetio

Do mais feio, torto ou errado
ganho um abraço macio
pois deles sou fogo e frio
sou príncipe dos celerados

sábado, 5 de março de 2016

Não

Não sei se quero
conversar sério
um tema amargo
tomando trago

Não sei se devo
acordar cedo
depois da insônia
e da vergonha

Não sei se posso
por no pescoço
a mesma corda
que não me acorda

Não sei se dura
minha tortura
no mesmo prego
que bem me esfrego

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Meu caro sanguessuga

O mosquito não me pica
Nem vai embora nem fica
Me agonia seu zumbido
longo fino e atrevido

Por favor caro mosquito, 
Deixa o drama, faniquito
Vai me morde logo aflito
sua saliva, meu agito

Deixa meu sangue escorrer
Por sua boca,sua picada
Deixa o sangue esvair
deixa meu gosto partir

Se farta na minha carne
Mas me deixa sem zumbido
Deixa pra vir quando
já estiver dormido

Com minhas veias vermelhas
bem abertas e pulsando
Para meu doce mosquito
que banqueteia pousando

A me morder, a me sugar. 
com finíssima navalha 
feita de caco de vidro
Na umidade do colchão

De lençol branco e marrom
salpicado de vermelho
Vem seu mosquito zumbindo
fazer canção de ninar

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Quadras calculadas

sílaba poética
é saber que verso
não é aritmética
mas da prosa o perverso
*
prum ouvido certo
versificação
é medida de metro
sem regulação
*
dentro duma métrica
cabe o não pensado
duma frase cética
num texto sagrado
*
o poeta escande
como alguém que canta
e não como quem conta
moedas e as esconde

sexta-feira, 27 de março de 2015

Podorastia di versos

bem no pé do verso
sibila uma língua
que lânguida lambe
o metro e sua tônica

Em saliva imerso
o lábio à míngua
deixa que se game
na orgia polifônica

segunda-feira, 16 de março de 2015

Bom mocinho

Baixinha de peitos grandes
dona dum bumbum durinho
Rebola assim aos galopes
que engole meu pau todinho

Me chupa do talo à glande
com fome e com carinho
Num tesão rude que range
quando lhe dedo o rabinho

Pulsa e repulsa meu sangue
deixando meu pau durinho
Minha saliva vai longe
melando seu anelzinho

São meus dedos que lhe expande
aos poucos seu buraquinho
Até que se torne grande
pra que eu entre de mansinho

Seu doce gemido me unge
no papel de malvadinho
Que com vigor lhe inflige
um gozo pelo cuzinho

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Menina-raposa

Menina-raposa
seu corpo de flor
espinho e rosa
em perfume e cor

Menina-raposa
lhe sorvo o suor
de garoa nova
em tom sonhador

Menina-raposa
lhe provo o sabor
que tanto nos goza
em prazer e dor

Menina-raposa
sou seu caçador
de verso e de prosa
pecado e pudor