Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Ode à quem arma o circo e come pipoca

Lucas C. Lisboa

Essa menina é malvada
(não me engana seu ar de anjo)
Veja bem em que cilada,
ela colocou o seu marmanjo.

Jogou (justo a namorada!)
na praça q'eu mais manjo...
Sob a lona levantada:
com direito a banda e banjo.

Labirinto faz minha trilha,
minha arena: versejar
é, o diabo amassou seu pão...

Ele caiu numa armadilha!
como pôde ela botar
um rato em covil de leão?

experimento

Recobro seu anexo
circunflexo tinto
Sinto me em dobro
lhe cobro convexo
Flexo meu absinto
Minto em meu nexo
Complexo eu finto
Sucinto não sobro
desdobro requinto
o Quinto eu cobro
lhe sobro e pinto
Assinto pelo sexo

Meche e remeche o fetiche

Lucas C. Lisboa

Não venha voche não brigue
e mucho menos me riche
sequer me maldiga o que
eu mesmo chamei e lhe diche

Para que tanto chilique
se sou bonecho de piche?
Faz mechura de repique
quero seu melhor relinche!

Que veja o vachilo vechamoso
mas necha dancha do machice
não se aveche e diga viche!

Que vichejo mais gostoso.
Feche a porta do fetiche:
meche remeche é pastiche!

domingo, 23 de janeiro de 2011

Sobre a pequena rocha

Lucas C. Lisboa
em laços e enlaces
cordas e correntes
fizemos as pazes
aos beijos ardentes

domingo, 2 de janeiro de 2011

Promessa

Por Você eu escreveria
um Soneto a cada dia
que despertasse contigo
com os seus braços de abrigo

Você logo saberia
que plena nunca seria
como se dormisse comigo
ao sabor do doce figo

Que fosse minha morada
e eu seu Algoz protetor
e lhe beijasse curada

De toda, Toda, sua Dor
que fosse plena e amada
por mim sem qualquer pudor