Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

segunda-feira, 26 de abril de 2021

excrementíssimo senhor

Das mentiras numa rede
sangue nas mãos e nas urnas
um copo de ódio sua sede
não mata mas rega as ruas

Justiça implora e lhe perde
as verdades das mais cruas
Telhado se fez parede
de vidro e regência nua

Casa de vidro é palácio
da milícia e da morte
que ceifa num só cardume

a vida que de tão frágil
esvai sem logro ou sorte
sob o mando dum estrume

quarta-feira, 7 de abril de 2021

sábado, 3 de abril de 2021

Aldravia 7

Quanta
Quarentena!
Sozinho
Sem 
Minha
Morena

Aldravia 6

Minha 
Glande
Penetra
Seu 
Esfíncter
Engole

Aldravia 5

Sol
Poente
Sangra
Vermelho
Todo
Céu

Aldravia 4

Meu
Falo
Seu
Felar
Gozo
Abundante

Aldravia 3

 Meus
Pés
Sua
Língua
Encontro
Perfeito

sexta-feira, 2 de abril de 2021

Aldravia 1

Pinga
Fogo
Risca
Faca
Boteco
Cachaça

Aldravia 2

Com
Cordas
Ato
O
Seu
Gozo

quarta-feira, 31 de março de 2021

Minha doce Pêra


A pêra queixosa fica pelos cantos
seu amor lhe usa só de vez em quando
sonha com as velas, as cordas e tantos
os prazeres que fica salivando

É faminta mulher cheia de encantos
é latifúndio pra ser invadido
com desejos cruéis que causa espantos
aos homens muito aquém do desejado

Diga os seus mais profundos dos anseios
suas vontades submissas, masoquistas
e tão, tão pervertidas que me soam

tal canção de ninar nos doces seios
duma devassidão das mais narcisistas
que das marcas sorri por mais que doam

Prum poema apaixonado

Tenho guardado meu verso
bem medido bem contado
de modo que não esqueço
prum poema apaixonado

Minha frente meu avesso
nos dedos escancionado
em lirismo todo imerso
prum poema apaixonado

Leio, releio, converso
que é tesouro lapidado
com seu brilho mais intenso
prum poema apaixonado

São palavras ao acaso
como quando jogo um dado
que abole o gosto e o senso
prum poema apaixonado

quinta-feira, 25 de março de 2021

Dúbios Deleites

Seu corpo delicado, meu declive
descendo suas curvas tal quem pinta
O mais intenso quadro que em nós vive:
nosso suor, saliva e gozo é a tinta!

Seu corpo terra chã pra que eu cultive
nosso prazer e a fome nunca extinta
A mais terna tortura que já tive
lhe ver nua, sedenta e tão faminta!

Temos nossos delírios, nossos sonhos
que sussurramos entre nossos lábios
desejosos um do outro mais e mais

Temos nossos desejos e carinhos
que machucam a pele para dúbios
deleites amarrados em seus ais


domingo, 14 de março de 2021

Gabriela,

eu não dou conta mais, não tem escala:
acordo e vou dormir pensando em ti...
durmo mais de doze horas e não para!
meu coração não para de sentir.

borderline, limítrofe que fala
o psiquiatra fala para mim:
que tenho que entender mas não repara
o fio que me corta a frio assim.

não, não me compreende, só me acusa
de não ser neurotípico e ser vil,
machista, torto, errado e bem malfeito!

sei que não tem qualquer que seja a escusa
pra que eu tenha esse péssimo perfil
de quem não tem conserto ou mais jeito!

domingo, 7 de março de 2021

Victória

cinco dedos espalmados
nas nádegas eritemas
com seus gemidos safados
que inspiram poemas

Nos nistagmos excitados
de seus olhos, doce pena
e num tenesmo plugado
que as lagrimas encena

lambendo meus pododactilos
em diplopia no entesado
do sexo que lhe desperta

rebola em pélvicos circulos
num borborigmo calado
quando o falo lhe penetra

Miau

Minha gatinha toda grata
plugada miava eterna
fome e jura insensata
e soltava a pilhéria
declarando se por tudo
seu amor tão torto e escuso

A mais safada, vadia
e obediente do gatil
Meus pés ela me lambia
dum jeito meigo e servil
abanando seu rabinho
implorando por carinho

Ronronava tal uma gata
se esfregava nas pernas
minhas totalmente grata
por deixar numa baderna
molhada o sexo miúdo
que ansiava um gozo imundo

Sua língua nada sacia:
mãos, pau, pés, tesão a mil
como mestre ela me via
solta um gemido sutil
por meu dedo em seu cuzinho
deixando meu pé limpinho