Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Bom dia!

Quente, forte, sem açúcar,
sem média e sem sorriso.
Sobre acordar de manhã:
depois do café me expresso.

domingo, 27 de setembro de 2020

Lambendo os lábios

Ela me olha os pés e diz 
que Meu All Star azul
Combina com o vermelho 
da sua língua atrevida

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Dia perfeito


Antes mesmo que comece
cheiro do café e um boquete
Desplugo, abuso e fofo
seu rabo antes do almoço.

Preparo a sessão de palmada
para começar logo após a siesta.
Sua buceta amarrada preparo
como vou comer antes do jantar. 

E por fim antes que acabe
torturo seus mamilos 
com carinho antes de dormir

De madrugada um assalto
de seu corpo que é meu
e fodo de leve num ressonar

segunda-feira, 20 de julho de 2020

Poema Financista

Negociatas
E nó de gravata
LCI, Previ e CDB
São o meu prazer

Cheque especial
à malha fiscal
Eu Prefiro TED 
ao tédio

quinta-feira, 16 de julho de 2020

Não é sequer poesia muito menos soneto

Quando começou não imaginava
ganhar todo esse tamanho
que o amor fosse maior e mais forte
ou que eu tivesse um pouco mais de sorte

Mas conforme tudo se acabava
só ficou mais e mais estranho
sem gume, sem graça, sem corte
uma peça sem público e sem porte

Sem ver sentido larguei a terapia
e passo todos meus dias dormindo
quando consigo as noites também

Um pesadelo que pensei que acabaria
um sonho ruim que seria findo
mas continua bem mais além

terça-feira, 7 de julho de 2020

Anotações sobre o caráter econômico da Narrativa

A arte sofre influência direta das pressões econômica que as financiam. Os seriados televisivos são um exemplo patente dessa influência. Há uma diferença tangível na forma de contar histórias dos seriados concebidos para passarem na televisão com propagandas intercaladas e os seriados concebidos para streaming em plataformas digitais. 

Naqueles concebidos para a televisão podemos notar a presença de diversos pequenos arcos narrativos com introdução, desenvolvimento, cllimax e desfecho. Sendo a pausa para os comerciais feita no exato momento do clímax dramático para prender o público no assento e força-lo a ver o intervalo comercial.  

Já os seriados desenvolvidos para plataformas de streaming possuem uma narrativa mais próxima daquela dos filmes onde o momento do clímax é trabalhado durante todo o episódio não havendo diversos pontos de parada. Não há intervalos, pausas o ritmo é bem mais regular.

Essa prática moderna não é a primeira em que as pressões econômicas sujeitam a arte ao ditame comercial. O ronance nasce em capítulos pois era publicado seriado em jornais, um capítulo por vez. Sendo assim um atrativo para o público leitor adquirir o jornal seguinte e acompanhar o desenrolar da história.

Nas narrativas anteriores ao romance a divisão de dava por outra lógica, não para prender o leitor, os cantos do teatro grego demarcam bem essa diferença ao narrarem momentos bem distintos de uma mesma obra e serem bem menos numerosos do que os  capítulos de um romance.

segunda-feira, 29 de junho de 2020

Trovador Romântico

Cecília, noite toda úmida de seu mel 
dedilha com amor o cobiçado anel
Enamorado lhe faço um convite galante
seu esfíncter ao redor de minha glande

Cavalga-me serei cavaleiro fiel
você dama do lago ardente em seu véu
Formado em mim por ti,  virilha e ventre
que navega faminta atrás e à sua frente

Pois com goles de vinho adivinho seu ato:
seus lábios de fel que com gosto me felam
na esperança vadia por meu dulcíssimo gozo!

E faço do meu mimo um deleite e maltrato:
seus mamilos e rabo e nossos lábios selam
na fome que fartado em ti enfim me repouso...

sexta-feira, 19 de junho de 2020

Para abrir o apetite

O mimo e maltrato
são melhor sentidos
um após o outro

terça-feira, 9 de junho de 2020

O efeito pedagógico da eleição de Bolsonaro.

O Bolsonarismo é uma doença oportunista que se instalou em nosso país fragilizado por uma doença chamada Anti-política. Uma doença que acomete um país que tem suas instituições do Estado democrático de direito sucessivamente atacadas por um determinado grupo para um determinado fim.

Pode-se dizer que é uma doença crônica do Brasil onde os Vermes do Fascismo estão sempre a espreita para lhe parasitar novamente.  O Estado Democrático de Direito estava talvez que pela primeira vez em nossa república avançando para sua consolidação. Um presidente eleito democraticamente passar a faixa presidencial para outro presidente eleito democraticamente é fato raro em nosso país.  Se falarmos então de partidos de espectros opostos da política só temos um único caso. 

Pois falemos desse único caso. Os tucanos ao se despedirem da faixa presidencial em 2002 disseram um até breve para ela. Tinham criado um apego anormal pois afinal, quatro anos antes numa jogada fantástica aprovaram a reeleição e contaram com a colaboração do em geral da República para deixar tudo limpo por lá.  Feita a manobra e cutucando as chagas da democracia foi-se indo nossa república fingindo que ninguém via as emendas e remendas costuradas nos acordos para pagar a votação da reeleição do padrasto do Real. 

Sim Fernando Henrique Cardoso é padrasto cujo o pai Itamar Franco à época  discordava um bocado dos rumos da educação econômica que o Real vinha seguindo muita cabeça baixa pro FMI e pires na mão. Era tanto neoliberalismo que veio o apagão pela absoluta falta de investimento no setor energético do país. Itamar que não tinha sido eleito presidente mas que como vice assumiu depois do impedimento do Collor, sim aquele que a Globo manipulou o debate pra ganhar a eleição, lançou o real no final do seu mandato. 

Itamar Ficou olhando a política de lado quatro anos e voltou como governador de Minas descontente com FHC, controlando Furnas a maior hidrelétrica totalmente nacional em plena crise energética ( essa história é muito divertida pesquisem), que naquela época já tinha um ilustre ex deputado do ARENA como seu conselheiro Aécio da Cunha pai do Aécio (da Cunha) Neves nosso escondido deputado que já foi tão chamativo governador e senador. Enquanto existir São João del Rey  Aécio tem garantido seu foro privilegiado. Aécio ainda usou o Itamar para garantir um mandato de senador pro Perrella (https://youtu.be/4nxNib41W1A) colocando o Perrella como primeiro suplente do Itamar aos oitenta anos concorrendo ao cargo de Senador de oito anos de duração.  Quem é que no Brasil presta atenção no suplente de Senador? No máximo lembravam o Itamar brigador lá da época do FHC ou só foi mesmo pelo controle total da imprensa mineiros feito por Andrea Neves.
Provavelmente não conhecem a Andrea Neves a verdadeira governadora de minas entre 2002 e 2010 enquanto o Aécio alternava entre sua cobertura no Leblon e fechar uma ala do Hospital Mater  Dei .  Pode procurar uma notícia negativa, uma crítica, um jornal Mineiro chamando o Aécio de bobo entre 2002 e 2014 que não encontrará. Foi no seu feudo que Aécio se blindou totalmente dos escândalos como a lista de Furnas onde seu pai foi conselheiro até 2010 e processos inúmeros que nunca eram investigados, julgados.  (Googla ai Aécio prescreve) e também escapou da Guerra de Alckmin e Serra,  os tucanos de São Paulo.

Serra, Alckmin, Serra, Aécio, Alckmin. Enquanto o PT ao perder sucessivas eleições mantinha sempre o Lula lá como cabeça de chapa. O PSDB nunca firmou ninguém. Não que o PT tenha feito o melhor governo do mundo mas o PSDB conseguiu se sabotar bastante ao longo de todos esses anos. A cada disputa eleitoral se alternavam em atacar-se internamente para conseguir ser a escolha do partido também moviam uma rede para atacar o PT. 

Todo e qualquer partido político no mundo tem sua base de apoio em algum grupo de indivíduos que se identificam com aquela sigla, o pt com os sindicatos e trabalhadores rurais, o PSOL com os universitários, o novo com os banqueiros, já o PSDB  sempre esteve ligado aos grupos de mídia e ao judiciário. Vide a Andrea Neves em minas e e o pai do ex-Juiz Sérgio Moro fundador do PSDB de sua cidade. As ligações dos partidos são esperadas e até naturais entretanto o PSDB ao perder sucessivas eleições começou a mover essa rede de apoio de uma maneira que começou a ferir nossa democracia.

Os sucessivos processos judiciais contra o partido dos trabalhadores que se moviam numa velocidade nunca antes vista em nosso judiciário e tomando decisões nunca antes tomadas com uma cobertura de imprensa escandalosa sobre fatos mínimos gerou uma perseguição jurídica e midiática cujo objetivo era tirar o PT do poder a qualquer preço. 

Mas o preço foi mais caro do que qualquer um poderia imaginar. A cada matéria jornalística que se massacrava o PT não se massacrava só o partido mas todo o sistema político levando a descrença generalizada.  Levando ao desprezo igualitário a todo e qualquer político. Tornando Lula, Aécio, Bolsonaro, Amoedo e qualquer outro iguais e na igualdade  quem leva vantagem é mais corrupto pois a lama é sua especialidade.  Ele deixa de parecer sujo já que todos são então tanto faz.

Nessa sanha de derrubar o pt a doença da Anti-política acometeu o país que se convulsionou inteiro vomitou e engoliu a velha política sem saber exatamente o que fazia. E elegeu o pior congresso de sua história. Pior não por ser de direita ou de esquerda mas pior pela qualidade de seus congressistas.  O PSDB seu maior causador também foi uma das suas maiores vítimas e junto com o DEM (antigo ARENA) foram reduzidos a metade do seu tamanho. 

O Bolsonarismo surgiu justamente desse lugar com uma bancada absolutamente inoperante e babando de ódio com seus próprios deputados obstruindo as pautas do governo. 
Já o PT, bom, o PT seguiu sendo a maior bancada do congresso pois era o único dos grandes partidos que possuia militância e essa militância não foi contaminada pela Anti-política, pelo discurso dos jornais e pela perseguição jurídica. Aliás a prisão do Lula teve o efeito contrário ressuscitando o petismo de muitos que já não militavam. Os demais partidos mais à esquerda também cresceram ficaram bases.

O PSDB tentou acabar com o PT para assumir seu lugar mas seus ataques enfraqueceram toda a política e o enfraqueceu muito mais que o PT. Desde 1989 sempre que há segundo turno o PT está nele. Durante toda a eleição preferiram atacar o PT do que mostrar o monstro que o Bolsonaro era. Já sabiam de todos os crimes e corrupções dele, de todas as suas falas monstruosas. 

Se a rede Globo quisesse poderia manipular a eleição para tirar o Bolsonaro do pleito como  já manipula eleição após eleição.  Material gravado não faltava era só escolher o que passar no jornal nacional no primeiro e segundo turno. 

Só que todos acharam que iam poder controlar esse monstro fascista. Aliás  a direita democrática sempre faz isso quando começa a perder demais aposta num Fascista achando que pode controlar. Churchill e Cia também achavam que podiam controlar Hitler.




segunda-feira, 25 de maio de 2020

Descontrole

Certa vez uma moça veio em minha casa com uma blusa listrada estávamos morrendo de saudades um do outro, da moça e não da blusa obviamente.  

Depois de duas garrafas de vinho a blusa se misturou com minha calça em algum canto do quarto e minhas pernas se misturaram com suas coxas na cama. 

Foi uma longa noite que poderia durar uma semana de tão gostosa que estava mas na manhã seguinte, depois de termos dado uma segunda rodada e tomado café, ela me pergunta:

-Tô muito descabelada? 
-Não até que não está, seu cabelo continua lindo.
Eu disse sorrindo, o cabelo dela era incrível continuava perfeito mesmo no dia seguinte. Mas ela parecia contrariada:
-Me ajuda a encontrar minha blusa listrada?

Procuramos, reviramos, travesseiros, cobertores, tapetes, roupas, toalhas e nada. Nem o menor sinal da blusa listrada. 

Fomos nos dois derrotados pelos gnomos esconde dores de roupas. E eu emprestei uma camiseta minha de cor amarela que combinava bem com sua pele. Não era como a dela. Mas serviria por enquanto. Ela terminou de se vestir tomou o carro de transporte e foi pra casa a tempo do almoço de família.

Voltei pra casa, pro meus afazeres sérios de procrastinar meu dia até que perdi o controle remoto da televisão e novamente me meti na labuta de revirar o quarto e não é que nesse momento a blusa listrada ressurge do nada? 

- Achei sua blusa listrada.
- Não creio! Como você achou?
- Procurando o controle da tv.
- Tá foda né! 
- Vê se você por acaso não vestiu ele ai
- Meu Deus...

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Tá achando que esquerda é bagunça?

Tem algo que eu odeio mais que bolsonarista. É o tal do Isentão, isentão que já está jogando o Bolsonaro no colo da esquerda como se fossem a mesma coisa. Como se não tivessem apertado felizes 17 com a esperança do Bozo vender até a última estatal e privatizar até o ar de nossos pulmões. E agora que viram que o Filho duma chocadeira é exatamente como a gente descreveu e como ele próprio dizia que ele era. Estão correndo pra de livrar da culpa e se mostrarem como salvadores da pátria. 

Sinceramente? Quem botou ele lá que tire.  Sim senhora Globo, sim senhor Dória, Witzel, Aécio, Zema e companhia. Quando vocês fizeram a merda de manipular o debate em 89 para botar Collor lá o PT fez das tripas coração pra tirar o playboy de lá. Mas todo desgaste de tirar o bode da sala rendeu louros para o príncipe dos sociólogos o novo queridinho da Vênus Platinada. 

Agora fazer cara de nojinho, dizer-se arrependido, enganado, surpreso só me dá vontade de arrastar a cara de cada um de vocês no asfalto quente. Porquê é muita cara de pau. Os trinta anos desse merda no congresso não deixavam dúvidas de seu sonho dourado Miliciano. Até a porra da sua camisa de campanha era uma imitação barata do pôster do poderoso chefão! E que vontade de xingar quem dizia que eu estava sendo exagerado quando eu apontei isso na campanha, que isso era mera coincidência. Pois até seu condomínio é um condomínio mafioso com assassinos e traficantes de armas como vizinhos! É uma paródia mais que perfeita. 

Não me venha botar mais essa na conta da esquerda. Já tô de saco cheio de arguir os historiadores sobre esses assuntos, assim eles merecerão ganhar adicional de insalubridade para responder perguntas como estas se Bolsonarismo, integralismo e nazismo são de direita ou de esquerda. Porquê anauê é o raio que o parta.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

O que diria Fedro?

Cada deus embriagado
numa arena enluarada
no hipódromo do Olimpo
de mão em mão a sua benção

Por eles agraciado
com a minha biga alada
de chucros cavalos negros
Distraído e Depressão

Não basta vinho de Baco
nem os  beijos de Afrodite
e por mais que Eris me irrite

Pra Apolo não tenho saco
Hera e Zeus? Não sou padre.
quiçá ao Hades se acabe!

sábado, 2 de maio de 2020

Era como se fosse Domingo

Ele já teve uma casa boa para ir em cada capital. Para pernoitar, se deixar ficar e se arrumar. Antes, depois e após cada festa e funeral. E eram muitos os que já fora convidado. Sim, já fora convidado. Não mais. Nunca mais.  Hoje nesse primeiro de maio de ruas desertas e infectadas doía sua barriga de fome, suas víceras de vício. 

Nunca fora por assim dizer um trabalhador. Mas sempre um entusiasmado defensor de suas causas. Suas pernas cansadas pararam, sua respiração pesada por detrás da máscara pediam por um ar fresco inexistente.

Sacou o molho de chaves, ela não trocaria o segredo, não importa o que acontecesse. Era contra seus princípios. Arrastou o portão de ferro que rangeu em protesto como sempre fez nesses trinta e três anos que moravam ali. Ele riu-se havia vinte que já não morava mais. Mas onde ele diria que era sua casa senão ali?  
 
O Primogênito pousou seu pé no primeiro degrau e forçou seu corpo magro ao alto como se o mesmo de repente pesasse muitas arrobas. Vencendo os degraus pouco a pouco viu que o arrombado do seu irmão caçula fora alertado pelo portão escandaloso como acontecia sempre que ele tentava voltar desapercebido das escapadas noturnas. 

Marcelo vestia em seu corpanzil de ex atleta obeso um passeio completo com direito gravata, quem mais faria isso para visitar os próprios pais no feriado no dia do trabalhador, ou como diria o próprio dia do trabalho? Mas não, não usava máscara tinha dinheiro para pagar as vacinas importadas que custavam seu peso em ouro.

- Marcos, Mamãe não vai lhe receber - disse Marcelo em meio a mini floresta que era a entrada da casa após a escadaria - Nós estamos no meio do almoço.
- Mas já são três e quarenta e cinco da tarde - exasperou Marcos de olhos injetados - Ninguém almoça tão tarde. 

O portão lá embaixo bateu, ambos os irmãos ignoraram solenemente. A campainha estava estragada novamente?

- Quinze pras quatro - Marcelo, corrigiu friamente - Você bem sabe como papai se demora para cozinhar nos fins de semana.
- Quem se importa, não vou me demorar - insistiu
- Hoje não Marcos, não comigo aqui. 

O portão bateu novamente, agora ambos se entreolharam e o ar contaminado pesou ainda mais. 

- Você não tem esse direito. - Marcos rosnou por detrás da máscara. 
- Não só tenho como estou fazendo. - sorriu triunfante de orelha a orelha e completou como dá ordens a um subalterno - Já está na hora de ir  vá ver quem está no portão, sua mãe espera por seu filho. Parece que você não conseguiu estragar de todo o garoto.

Fuzilado por aquelas palavras tateou cegamente sem resposta o corrimão da escada, desceu como um cão enxotado da porta da igreja, desceu cambaleante  se apoiando nos espaços vazios que encontrava pelo caminho até se separar com o portão dedo duro que xingou mentalmente pela milionésima vez.  Ao abrir o portão deu-se de cara com o grande clichê, a sua versão mais jovem, melhorada, sem todas as suas burradas, erros e cagadas.

- Pai - Miguel olhou pra ele num misto de espanto e alegria e o abraçou - Não esperava ver você aqui. Vovó deve estar tão feliz! Já faz meses que ela fala que estava preocupada contigo.
- Não pude entrar, Marcelo. - Marcos cortou secamente.
- Filho da Puta! - Gritou Miguel na fúria dos dezoito anos.  - isso não vai ficar assim.
- Não faça isso, não se exalte assim, não compre essa briga. Eu não valho a pena - os olhos de Marcos estavam completamente vazios - escolha melhor do que eu as brigas que vai entrar.
- Então eu vou com você, vamos almoçar juntos! - Miguel disse num estalo -  Abriu um restaurante de comida inuite novo que está todo mundo comentando que adoraria que fosse comigo. 
- Eu já almocei são quinze pras quatro - mentiu Marcelo - quem almoça a essa hora? Além do mais mamãe iria ficar muito triste em não ver seu neto favorito. - completou rindo
- Mas eu sou o único! 
- Justamente!
- Como eu lhe encontro? 
- Meus contatos continuam os mesmos.
- Mas você nunca responde.
- prometo que agora vou responder
- Vamos almoçar juntos essa semana?
- Vamos.
- Promete?
- Prometo.

Marcelo deu um abraço afetuoso em seu filho, o viu subir as escadas, fechou e trancou o portão.
Caminhou sem rumo  ou direção. Sentou numa praça. Sentia fome. Mas pior que isso era o que lhe despedaçava o orgulho. E se pôs a chorar o velório da sua vida de merda.

sexta-feira, 6 de março de 2020

Porquê o mineiro se encanta ao ver o mar

Mineiro tem mais culpa na alma do que tem  minério nas suas montanhas. O minério século após século escavamos, primeiro ouro, depois o conto diamantino, por fim o pesado minério de ferro vermelho, sanguíneo, perene que tudo mancha e não sai. A cada chuva após caprichosa estiagem faz das estradas um rio vermelho, um fluxo menstrual de pó de asfalto, minério e água. Mas, ao menos dessa, vez não há lençol branco para se esconder. O que nunca mudou foi a culpa. A culpa essa estranha a gente entranha cada vez mais. Culpa, matéria prima da Santa Igreja Católica Apostólica Romana que montanha por montanha por suas ordens terceiras ergueu igrejas lindas Barrocas, Rococós, ornamentadas com folhas douradas, meticulosamente entalhadas, esculpidas,  cravejadas, madeira, pedra-sabão e rubi. Vigiar e punir foi lavrado nas bateias de ouro preto bem antes de ser cunhado em terras além-mar, por aqui há muita janela lateral para pouca namoradeira. Culpa, medo, tão fortes são que até tombamento histórico prévio de igrejinha recém inaugurada se faz em minas. Os horizontes são belos mas, que medo que dá saber o que há do lado de lá das montanhas que se vêem na linha do horizonte para todo lado que se olha, estar cercado de montanhas é ter muralhas naturais em cada uma de suas grandes ou pequenas cidadezinhas, que igualmente protegem e sufocam.

quarta-feira, 4 de março de 2020

Paz(tiche)

Encontrei a paz
e já aceito bem
meu vício é ver
um ser qualquer
transpirando
ao talhar a pedra,
ou numa pintura,
fazendo seu verso,
no seu gozo,
numa laje
vira massa,
vira terra,
numa horta,
num pomar,
num jardim,
no canteiro
central da
autopista
numa máquina,
numa troca
de pessoa
ao volante,
que se joga
pro seu canto
reza forte
para Bara
erra o tiro
mas o berro
da polícia
tá chegando;

Minha musa
tão safada
vê beleza
nisso tudo,
bebo um gole
de não sei
também sou
caprichoso
indolente
com meus versos
pasticheando
num sadeano
prazer métrico.