Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Menina-raposa

Menina-raposa
seu corpo de flor
espinho e rosa
em perfume e cor

Menina-raposa
lhe sorvo o suor
de garoa nova
em tom sonhador

Menina-raposa
lhe provo o sabor
que tanto nos goza
em prazer e dor

Menina-raposa
sou seu caçador
de verso e de prosa
pecado e pudor






quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Balada

Lhe tomo num trago
de doce absinto
é forte o afago
da fome que sinto.

Lhe traço num rasgo
do quarto bonito
e quero num rastro
sorver o seu grito

Lhe faço calada
na palma da mão
e ponho de quatro
por puro tesão

Sou doce cilada
pro seu coração
um belo retrato
de vil perversão

Eu não peço nada
nem mesmo perdão,
lhe pego num ato
e jogo no chão.







segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Maresia

Lucas C. Lisboa

Imagina se eu fosse um pirata
e seu quarto navio todo cheio
de riquezas bem mais que ouro e prata
por apenas ter você no meio

lhe darei cantos e serenatas
se for minha sereia de cachos
com perfume do oceano e fragatas
entre os mastros as velas e laços

pelas cordas içadas ao vento
com seu corpo sutilmente preso
minha bela que faço de porto

para todos desejos imensos
que transborda até o mar onde rezo
o meu terço e cântico torto

sábado, 19 de outubro de 2013

Pescador de Palavras

Pai, quando você
subia pra pescar
no alto amazonas

Sonhava eu co'as águas
negras e barrentas
que não misturavam
ao se encontrar

Você prometia
que ia me levar
junto se eu ficasse
maior que você

Mas não me levou
até o solimões
e nem mesmo no
baixo Pantanal

Foi no Velho Chico
e no Rio das Velhas
que pescamos juntos

Me esquecia do anzol
confundia as linhas
mas tinha bem sorte
de principiante

Paciência nunca
tive muita e o papo
valia sempre o barco

Moro hoje no Rio
de Janeiro mas na
minha poesia
cabem versos mil

Até mesmo aqueles
de amor guardados
bem na sua gaveta

Eu pesco palavras
tal pescou jaús
com sabor de estórias
e algo de aventura

Paciente deixo
o verso chegar
mordendo meu metro

Puxando forte a linha
perfazendo rimas
embolando estrofes
na poesia turva

Ainda quero ouvir
o esturro duma onça
no meio do mato

Pra saber se o medo
que eu sentia quando
pequeno lhe ouvia
contar é esse mesmo

Mas quero também
ver todo seus versos
sairem da gaveta

Tal fossem cardume
grande de curimbas
tomando o rio todo
em versos e prosas

Pai, vamos pescar
peixes e palavras
nessa mesma linha?

Azul

São cinco estrelas no peito
e mais onze nos gramados
juntos, o time perfeito
que nem todo céu estrelado

brilha mais e desse jeito
pelos estádios e estados
ofuscam velhos eleitos
já depostos no relvado

Meu cruzeiro cruza os campos
dos mais belos horizontes
das minhas minas gerais

O Brasil de canto a canto
já nos vê como gigantes
destronando até os globais!

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

do caráter poético das ruas.

A minha poesia
é sempre e sempre
foi do tipo vadia

E se estende bem em
qualquer corda de varal
e até no fio do fio dental

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

de caráter

Desde sempre defensor
dos frascos e comprimidos
comunista , feminista
e também botafoguense

Sobre trilhos

um pouco de fama e cédulas
são só cereja no bolo 
os sorrisos e as moedas
é que dão vida ao poeta

Não era como se dizia

A doce mocinha era de uma alma tão cândida, que quando pela primeira vez se deitou, não se fez ao leito um caudaloso rio rubro como lhe aterrorizaram a mãe, as tias, as avós e até mesmo as primas mais velhas. Tudo que se viu entre os tecidos de brancura impecável eram pequenas gotículas de um vermelho-quase-rosa.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Urbanização Infantil

-Menino, desce que eu vou lhe dar o Ipad para você jogar! - disse a mãe toda persuasiva
-Mas mãe, eu quero brincar aqui fora.
-Desce! Desce agora! - respondeu ela sem a menor paciência.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Com quantos pau-brasil se faz uma vanguarda?

Tome oh musa Liberdade
um gole de vinho escocês
uma taça de cerveja russa

só não me abusa
do azeite francês
ou da comida inglesa

Experimenta urucum na cara
tapioca na tigela

Te quero mameluca
filha do boto
minha meretriz cabocla

Oh musa Liberdade
se deita comigo
não como espelho italiano
mas como olho d'água
que reflete o canto de Iara

Quero ser vitória régia
e não só a última flor do Lácio

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

meu pássaro meu

meu pássaro meu
não sou julieta
nem você romeu

sou vontade louca
da cor do marfim
que a fome desfruta
tal suave cetim

vem beber comigo
um gole de vinho
serei pão e trigo
em cada cadinho

meu pássaro meu
não sou julieta
nem você romeu

sou menina pura
vem fazer-me assim
presa mas com luta
de querer-lhe enfim

vem correr perigo
sem luz no caminho
sou seu mais antigo
desejo quentinho

meu pássaro meu
não sou julieta
nem você romeu

sou doce sou fruta
vem provar de mim
em suave labuta
de não dizer sim

vem beber comigo
um gole de vinho
serei pão e trigo
em cada cadinho

meu pássaro meu
não sou julieta
nem você romeu

sou quem sempre escuta
Vem contar pra mim
toda vida injusta
que não tem mais fim

vem ser meu amigo
não fique sozinho
sou seu novo abrigo
um seguro ninho

meu pássaro meu
não sou julieta
nem você romeu

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Deu na televisão

Se não for do carro queimado
irão falar do banco quebrado
Se não for do banco quebrado, 
irão falar do trânsito parado, 
Se não for do trânsito parado 
irão falar do lixo deixado
Se não for do lixo deixado
irão falar do festejo estragado
Se não for do festejo estragado
irão falar do vizinho incomodado...

Se não incomodar a ninguém
não é protesto não é nada 
é só um bando dizendo seu amém
uma matilha pela mídia amestrada!

domingo, 14 de julho de 2013

Baratas de Copacabana

Se essa conta vou ter que pagar
pra essa festa ja tenho meu par:
levo cara de pau e as mãos nuas
pra dizer Não pras suas falcatruas!

Vinte centavos ou Caviar?
escolha o lado que vai ficar
são centenas que tomam as ruas
gritam verdades óbvias e cruas.

Você pode me atirar dinheiro
com o qual suborna os militares
mas ele não cala o mundo inteiro!

Você pode me atirar cinzeiro
o sangue de um mexe com milhares
porque de fumaça já estou cheio!

terça-feira, 9 de julho de 2013

Insônia

Quem nunca dormiu
nas últimas décadas
não pôde fechar
os olhos pra quem
não tinha pão cama
remédio e escola

Agora se assusta
sendo eles de vândalos
pichados em rede
nacional em prol
do transnacional
capital que explora

Quem esteve insône
vigiou o sono
dos micro burgueses
que por seu conforto
em berço esplêndido
nunca se mexeram

Agora se assusta
com esses sonâmbulos
que gritam facismos
e queimam bandeiras
querendo escrever
leis sem saber ler

Quem sempre lutou
não pelo pais
mas pelo seu povo
queria ficar
feliz co'esse novo
e forte aliado

Agora vê cordas
que de novo tentam
manipular todos
com a mesma velha
mídia com suas cartas
marcadas e arcaicas

Quem nunca fechou
olhos não será
por  spray, bombas,
manipulações
logo adormecido
por vinte centavos

Vândalo

Quero quebrar essas regras
subverter essas medidas
e brincar de cabra-cega
com as normas esquecidas

Quero brindar com as pregas
das verdades carcomidas
dum modernismo que afaga
ideias pré concebidas

O metro não é vilão
nem mata a criatividade
dum poeta verdadeiro

É desafio de montão
pra quem tem necessidade
de inovar o tempo inteiro

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Vidraças valem mais que Vidas

"Médici! Médici! Médici!" Eu gritava no meio das ruas do Rio de Janeiro, com o pulso balançando no ar. Ao meu lado três caras de bandeiras verde-amarelas me acompanharam sem exitar. Os mesmos três que segundos antes estavam gritando "Dilma sua puta" "Fora Dilma" e outras coisas assim. Eles demoraram alguns segundos até perceber o que estavam gritando puxados por mim. E esse momento marcou o que eu vi do protesto, um gigante sonâmbulo, que sob a máscara do apartidarismo rompeu seu despertar de quem tentava acordá-lo há muito tempo para se deixar manipular pelos fios sutis de outros partidos que preferem não mostrar a sua face. 

Outros tantos de verde-amarelo apartidários também seguiram os brados que saiam dos trios elétricos contratados por alguém que não se deu o nome mas que pelo discurso claramente tinha um partido político bem específico que acreditava e defendia. Os gritos puxados transforam o movimento legítimo do Passe Livre numa massa amorfa que misturava elementos de patriotismo ufanista, politicamente correto e flertes perigosos com um golpe. Eram tantos e tantos os gritos vazios de sentido e significado, causas enormes e intangíveis não havia mais uma pauta, um objetivo claro traçado.

Brandavam contra a corrupção, mas do carro de som não se falava qual, como e onde! Como se a corrupção fosse uma entidade personificada algo que pudéssemos jogar uma pedra. Brandar contra a corrupção é como passeatas pela paz, belíssimo porém completamente inócuo. É preciso de uma agenda direta, concreta específica. E preciso combater a corrupção? Sem sombra de dúvida! A corrupção foi o azeite que engrenou nossas engrenagens da política nacional em tantos momentos que me assombra a facilidade com que o carro de som só se lembrou do Mensalão de Brasília e se esqueceu completamente do Mineiro, da privatização em massa das empresas brasileiras por preços risíveis e outros tantos casos emblemáticos. 

Um protesto apartidário que deliberadamente escolhe atacar apenas um ou outro partido? Faça-me rir! O apartidarismo é uma falácia, um engodo. Todos tomamos partido, todos defendemos uma ideologia. Podemos até não ter consciência disso e bradar ser apartidário, mas na realidade seu discurso e seus atos defendem sim os interesses de algum partido. Ao quebrarem a bandeira dos partidos vermelhos conseguiram favorecer imediatamente os azuis. Conseguiram rezar pela cartilha dos anos de chumbo e ressuscitaram sabe-se lá com que miopia política o comando de caça aos comunistas. 

Além disso tudo haviam os vândalos, os baderneiros. Aqueles cujo os atos não são alvos dos apartidários de verde amarelo pois não possuem uma bandeira para quebrar, não possuem um cartaz para ser rasgado. Mas são alvos de cassetetes, bombas e tiros. São o grupo que abriu caminho em direção a prefeitura, ao maracanã, a visibilidade internacional. Armados com  pedras ameaçavam fortemente o patrimônio privado, pois num país dominado pelo lobby de empresas o que chamamos de público é só uma farsa os donos, de fato, não somos nós. Essa incrível ameaça a umas vidraças garantiu uma ponderada ação da polícia de jogar gás lacrimogêneo num grupo singelo de 2 milhões de pessoas, a maior parte sem o costume de participar de manifestações, causando pânico generalizado num risco a suas vidas.

Quem controla de fato essa polícia? A quem interessaria uma tragédia envolvendo 2 milhões de classe média de suado labor? Mais uma vez há cordões invisíveis que só não tem nome para quem não quer acreditar no óbvio manipulando toda essa situação . O Golpismo ronda novamente a América Latina atingido primeiro os paises centro-americanos e chegando até nosso vizinho Paraguai o mesmíssimo processo que aconteceu há cinco décadas. O mesmo clamor anti-corrupção amorfo, o mesmo exército insatisfeito, o mesmo "apartidarismo", a mesma perseguição aos "comunistas". Tomemos cuidado pois o gigante sonâmbulo pode não estar acordando sozinho. Pode facilmente cair novamente nos cordões de aço de um Golpe que dessa vez será muito mais midiático.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Poeticamente sádico

amarro bem os meus versos
e tolho cada palavra
que avulsa vira escrava
de meus desejos perversos

gosto quando a rima crava
na carne ímpetos imersos
em tara,  desvios diversos
e doce perversão rara

com voz doce e macia
teço bem uma ilusão
de que a corda acaricia

pelas linhas da escansão
geme cada poesia
e se encadeia o tesão

terça-feira, 18 de junho de 2013

Protesto com Vinagre e Lágrimas

Não, não é apenas por vinte centavos
ou "só" pelo direito de ir e vir
É por tudo que nos faz os escravos
duma seleta elite ainda a sorrir

Oito horas de trabalho por salários
que se fossem piada fariam rir
Enlatados, viajamos num calvário
diário pro sustento garantir

Sabe quanto que vale meu vintém?
Vale muito mais do que seu valor
corrente, monetário e absoluto...

Vale o dever de não dizer amém
prum bando de bandido sem pudor
que trajando ternos mentem absurdos!


segunda-feira, 3 de junho de 2013

cabelos, roupas e unhas de feriado em casa

Segredo não me sento no metrô
não quando é com meu comum leitor
Livretos somente entrego e recolho
Mantendo meu sorriso de olho a olho

Vagos vagões e céu de malumor
mas tinha ela num sorriso encantador
e tímido que obrigou meu desfolho
dos meus livretos com pesar e orgulho

Eu ouso - posso sentar? - Ela ri
esquecido falamos de livros
dos cursos, quadrinhos e poesia

Se dos nomes na língua esqueci
não me apagou os seus modos tão vivos,
seu doce desleixo que seduzia...

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Capataz


Minha mucama mulata
me beija os pés lavados
com rosas e serenatas
que abençoa meus pisados

Tem nos olhos de gata
travessuras, requebrados
e uma malicia exata
dum feito mais que safado

Que ninguém jamais me acuda
da  língua em meus ouvidos
que pra cama logo puxa

Que me importa se ela ajuda
uns tantos negros fugidos
debaixo de minha fuça?

terça-feira, 23 de abril de 2013

Como fazer um soneto


Compor sonetos bons não tem mistério
é só alinhar os tons, ritmo e  rima
o assunto pode ser jocoso ou sério
o bom poeta faz seu próprio clima

Não não me faz essa cara de velório
vício de sonetar não tem vacina
Me instiga que começo o falatório
de metro, forma assim que me alucina

Escolha qualquer tema que quiser
e com os decassílabos me faça
um poema que dá gosto de ler

redondilhas também tem a sua graça
e são daquelas fáceis de fazer
se nessa arte você é novo na praça

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Coroa de Sonetos de Amor - I

Moça bonita me faz seu amor
com seu beijo todinho para mim
mas não fique vermelha de pudor
pois dai minha fome não tem fim

Eu quero sua saliva e seu suor
na minha língua e boca bem assim
sabe como ficar ainda melhor?
se me amar também cada pedacim

Que mais quero é suas mãozinhas famintas
ávidas, curiosas e atrevidas
me tocando e mostrando seu querer

Beije vai, cada uma de minhas pintas
em meu corpo e lhes chame de queridas
sabendo onde estão sem sequer lhes ver

Coroa de Sonetos de Amor - II

Sabendo onde estão sem sequer lhes ver
é assim que lido com todos meus medos
e nesse doce ofício de escrever
sem revelar desvelo meus segredos

Regojizo do sol em seu nascer
como quem primeiro ama os eleitos
para o primeiro amor do adolescer
com a força dos peitos apressados

Estamos nós fadados: paraíso
eis o nome da gaiola de nós dois
cujo caminho é a trilha do amor

Eis feito nosso fim o nosso guizo
Estamos cá sem antes ou depois
nesses sonhos que são da nossa cor

Coroa de Sonetos de Amor - III

Nesses sonhos que são da nossa cor
eu branquelo e você mulata linda
seu beijo caramelo o meu quitanda
você alvorada e Eu sou sol-se-pôr

E na minha sua boca é bem vinda
com a suavidade ou vigor
eu gosto de sua lingua com fulgor
que saborosamente vem e brinda

O roçar de seus cabelos em meu peito
tal cobras que deslizam pela presa
são meio passo pra me enlouquecer

Navegamos juntos em nosso leito
a nossa fome é rio sem represa
o que nunca jamais vamos perder

Coroa de Sonetos de Amor - IV

O que nunca jamais vamos perder
são as lembranças que guardamos
dos momentos de doce padecer
entre os lençóis que juntos nos amamos

Lembre também que já fomos foder
e pra isso nossos pais nós enganamos
dois jovens assim a tarde a meter
e mentindo dizendo que estudamos

"Menina estudiosa" o pai dizia
e nós dois explorando a anatomia
de nossos corpos: puro despudor!

latim, derivações das matemáticas
e entalpia das físicas sistemáticas
eternidades são de um só calor

Coroa de Sonetos de Amor - V

Eternidades são de um só calor
que deixam marcas sutis na pele
nos lábios, nos olhos, no sabor
que me prova na força que me fere

Inebria-me todo esse rubor
de quando seu chicote bem adere
na carne num prazer de doce dor
fazendo que meu gozo se rebele

Mas se depois do gozo vem meu pranto
não será de tristeza meu doce amo
mas sim de assim poder sempre viver

Você, meu amado, belo e puro encanto
permite até o deleite que mais amo
de sua face na minha padecer

Coroa de Sonetos de Amor - VI

de sua face na minha padecer
o sorriso de nossos dias felizes
pois não, não é o que clama meu querer
que fincou em você longas raízes

Nosso amor clama a cama pode ver
nossas brigas e fodas tem matizes
exatamente opostas pra se manter
mesmo sendo você Apolo e eu Isis

Odeio nosso amor que me devora
não fique nem fuja faz parte de mim
Não lhe quero mais, mas vou pra onde for

Corpo: sim! Mente: não! e o peito chora
não, não me abraça quero um basta um fim
quero seu beijo com fogo e fulgor

Coroa de Sonetos de Amor - VII

Quero seu beijo com fogo e fulgor
de você meu amigo mais querido
meu amante e confidente dessa dor
causada pela vida e seu perigo

Me abraça forte e me dá seu amor
que apenas desse jeito Eu consigo
voar mais alto que o Cristo Redentor
pra lhe contar venturas em seu abrigo

E se hoje estamos juntos depois talvez
distância nem importa pro carinho
somos cumplices mesmo sem nos ver

É meu amigo meu amante toda vez
com seu riso, seu cheiro faço um ninho
que me aquece e me faz até esquecer

Coroa de Sonetos de Amor - VIII

Que me aquece e me faz até esquecer?
a memória de quando era criança
e nós dois inventamos de correr
até depois da igreja pela praça

Eu cai e não parava de doer
Como Doía! Ficou essa lembrança
de você branca quando me foi ver
todo sujo no chão uma lambança!

Veio me dando beijos pra sarar
me prometendo que já ia passar
toda dor com carinhos na cabeça

E me veio a saudade de lhe amar
será que nós daríamos um par?
Linda não fale só faça a promessa

Coroa de Sonetos de Amor - IX

Linda não fale só faça a promessa
por que agora será minha cadela
fará cada vontade mais possessa
de tornar puta minha Cinderela

ajoelhe-se mas sem qualquer pressa
Eu quero que meu falo seja a vela
que concentrará toda a sua reza
enquanto minha mão lhe descabela

Não para agora e muito menos pensa
como é que ousa servir-me só metade?
abra a boca pra benção do seu fim.

Sim, eu lhe invado e não peço licença.
Era isso que sonhava com  vontade?
não, não diga mais nada só o seu sim...

Coroa de Sonetos de Amor - X

não, não diga mais nada só o seu sim
sua boca velada e o seu suspiro
são as respostas que quero pra mim
minha doce miragem que prefiro

não, não conto os segundo para o fim
mas você bem que sabe que sou Sátiro
e não apenas um sonho que não-ruim
pois com o que lhe curo também firo.

Marcados, unos, nossos por completo
e vejo-lhe um espelho uma igual
com quem de olhos cerrados sempre vou

Fazemos juntos um par mais seleto
ninfas e faunos de outro carnaval
é minha por inteiro tal lhe sou

Coroa de Sonetos de Amor - XI

é minha por inteiro tal lhe sou
e desde que meus lábios lhe provou
jamais esqueci dessa tecitura
tão faminta que agora me tortura

a sua pele é de quando deus errou
tecendo-lhe asas de anjo em pleno vôo
zelando por seu corpo com doçura
e me atiçando minha mente impura

Lhe farei dos meus reinos a princesa
terá tudo que sonha apenas peça
meu banquete de farta e bela mesa

e a felicidade mais que uma promessa
ao seu lado é, acredite, certeza
não quero que se assuste nem esqueça

Coroa de Sonetos de Amor - XII

Não quero que se assuste nem esqueça
pois com meus gesto cheios de rudeza
eu quero lhe dizer que minha pressa
é o tanto que minh'alma lhe deseja

Antes que nessa mente os medos teça
sente e beba comigo um vinho à mesa
sinta o sabor do aroma nessa taça
pois cada gota é toda uma represa

Você é meu vinho mais inebriante
sabor macio, toque suave de carvalho
uma delícia de não ter mais fim

Mais uma taça e um brinde de amantes
nesse amor só lhe quero sem atalho
quero que saiba bem, tal é pra mim

Coroa de Sonetos de Amor - XIII

quero que saiba bem, tal é pra mim
só quero lhe comer. Mais? não tô afim
não podemos pular todo esse flerte
e vir logo pagar-me esse boquete?

não, não que eu seja uma pessoa ruim
mas mulher bonita trato assim
se ela não sabe nem pintar o sete
e na cama só paga de vedete

você se faz de burra como uma porta
e espera que eu me dê todo o trabalho
de desvendar o que já não mostrou?

Não se faça de tonta esteve torta
desde o começo fora do baralho
moça bonita, nunca alguém lhe amou....

Coroa de Sonetos de Amor - XIV

Moça bonita nunca alguém lhe amou
do tamanho do espaço sideral
Mas digo bem sincero que beijou
meus lábios despertou um sem igual

Moça bonita veja bem como sou
as minhas asas são do carnaval
passado e minha auréola vazou
não passo duma nota de três real

Sou malandro nadinha de perfeito
lhe compro flor na banca duma praça
se meu atraso for mais que um horror

Lhe falo sou sincero desse jeito
não me xingue, nem ligue pra essas graças
Moça bonita me faz seu amor

Coroa de Sonetos de Amor - XV

Moça bonita me faz seu amor
sabendo onde estão sem sequer lhes ver
nesses sonhos que são da nossa cor
o que nunca jamais vamos perder

Eternidades são de um só calor
de sua face na minha padecer
quero seu beijo com fogo e fulgor
tão forte que me faz quase morrer

Linda não fale só faça a promessa
não, não diga mais nada só o seu sim
é minha por inteiro tal lhe sou

Não quero que se assuste nem esqueça
quero que saiba bem que como a mim
Moça bonita, nunca alguém lhe amou

domingo, 21 de abril de 2013

Não sou bom partido,
sou melhor inteiro.

terça-feira, 16 de abril de 2013

de pulso


Inventamos o relógio
numa genialidade louca
para nos esquecer

de nossa estupidez
de nossa insensatez
de nossa pequenez

Olhamos pro relógio
pra não cairmos
no doce conforto

de criarmos deuses
de criarmos mitos
de criarmos sonhos

Pois ao olhar pro céu
em busca do tempo
nós nos damos conta

de quanto é infinito
de quanto é eterno
de quanto é absurdo

na parede como altar
o relógio dita a casa
como no pulso o homem

os precisos relógios
são nossas correntes
modernas e perfeitas

Que nos fizeram enfim
libertos dos deuses
mas escravos da máquina

domingo, 14 de abril de 2013

Os críticos literários de ocasião


Recolhendo os livretos depois de muitos risos, sorrisos, pagamentos graúdos pelos livretos e muitos agradecimentos até que...
-Gostou dos Poemas?
-Gostei de alguns mas você repetiu a palavra poeta duas vezes em um poema e isso é errado. - disse ela devolvendo pra mim o livreto.
-Errado? Sou poeta, eu posso. Conferiu a escansão dos poemas também? - respondi irônico.
-Você é quem sabe, estou lhe ajudando. - disse ela arrogantemente
Fiquei indignado e respondi:
-Já vendi mil e quatrocentos livros em um ano aqui no metrô. Obrigado por sua ajuda. 
Sai do vagão e continuei minha meta de vender pelo menos cem livretos num dia de chuva e levar poesia para pelo menos dez vezes mais pessoas.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Queijos


I - Entrada

Queijo combina com vinho
tal o beijo com carinho
mas se combinar demais
vira suspiros e ais

II - Convite

Quero um jantar bem gostoso
pão molhado no foundue
coberto de queijo cremoso
com velas ali e aqui


III -Dizem

que quanto mais fedorento
mais refinado é o queijo
mas é teu perfume suave
que saliva meu desejo

sábado, 6 de abril de 2013

Pechincha de feira


Se pela boca desdenha
mas o corpo quer comprar...
Como apagar essa lenha
com tanto fogo a queimar?

Só há um jeito meu bem: venha
cá comigo se deitar
sem perigo sabe a senha:
fruta doce do pomar

por estas maçãs tenha
fé que vai se aconchegar
entre bananas da Penha
e caquis d'outro lugar

na cesta quero que tenha
tudo que pode levar
da feira de Saramenha
mas seu pudor vai ficar

cuidarei dele pequena
com saudade de matar
queroso: de novo venha
cá comigo se deitar...

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Homicídio Coletivo


Sobre o ônibus que despencou do viaduto. Me parece uma crônica de uma morte anunciada. Quantas vezes eu não xinguei o ônibus que simplesmente não parou no ponto? Quanta vezes eu não tive que andar e até atravessar o viaduto porque o ônibus não parou no ponto? Quantas vezes eu não fiquei mofando no ponto porque o motorista resolveu cortar caminho e não passou pelo meu bairro? Quantas vezes o trocador olhou pra minha cara e disse que não tinha o cartão da integração e que eu devia comprar as duas passagens pelo preço integral?  

Contei muitas vezes até dez, muitas vezes até mil e me resignei e não fiz nenhuma besteira. Mas mentalmente já me sentei na frente do ônibus que não quis abrir a porta pra mim quando estava parado no sinal e no ponto. Mentalmente já joguei pedra no ônibus que não parou no ponto de madrugada. Mentalmente já agredi o motorista. 

Mesmo sabendo que o cara é pressionado por uma empresa escrota que lucra rios de dinheiro fazendo com que ele faça sempre uma viagem mais rápida que a anterior. Mesmo sabendo que a passagem aumenta pra mim mas no salário dele nem faz diferença, continua recebendo a mesma miséria.  Mesmo sabendo que faz jornadas longas e estressantes e agora dupla trabalhando como cobrador e motorista. Mesmo sabendo de tudo isso por pouco controlei minha raiva e minha frustração. 

Mas esse controle, esse eterno engolir sapo uma hora estoura. Uma hora alguém não suporta mais, mais um dia em que vai ter que atravessar o viaduto porque a porra o motorista não parou no ponto. Mais um dia que vai ter o ponto cortado porque a porra do passageiro demorou demais pra descer. Motorista e passageiro no mesmo moedor de carne do lucro da empresa,consórcio rodoviário que "ganhou" uma concessão pública para explorar o transporte em massa da cidade. 

Fácil buscar culpado no motorista que estava acima do limite de velocidade. Fácil culpar o ex-futuro-engenheiro que pulou a roleta para agredir o motorista. Quando são dois agente-vítimas de um crime arquitetado há anos, meses, dias após dias de maximização dos lucros de centavo após centavo lucrado indevidamente às custas de tantos trabalhadores, de tantos passageiros que são levados de um lado pro outro como gado. 

Não tenho respostas fáceis, mas os culpados não tem o rosto colocados nos jornais.  Não estão agora deitados em macas nos hospitais. Estão confortáveis em seus lares vendo todos dizendo que a culpa é do estado que não fiscaliza. Estão lá prefeito, governador, empresário e empreiteiro felizes e contentes com sua máquina de fazer dinheiro azeitada com os corpos de trabalhadores-indigentes.

quinta-feira, 14 de março de 2013

aos primeiro de Março


só me faltam
três pros trinta
e me assaltam
dúvidas infinitas

seria essa uma crise
de meia-idade precoce?
Ou mais uma rebordose
de um velho adolescente?

vinte sete anos
com teto mas sem tento,
carreiras, filhos,
carros ou casamento

vinte sete anos
Três faculdades,
um livro publicado
e outro pela metade

meio mambembe vendo
meus versos de vagão
em vagão com que pago
a cerveja e o feijão

meio lixeiro recolho
pedaços de meu coração
remendo, costuro e colo
uma mentira sem tesão

três pros trinta
é pouco sucesso
mas muita tinta

três pros trinta
é muito verso
pra poema de quinta


domingo, 10 de março de 2013

Poeta

Poeta de bolsa bermuda e camiseta
um poeta tropical de férias do mundo
no trem lhe faz feliz o riso e a careta
do leitor que se espanta no seu verso imundo

Verso alexandrino poesia barata
mesmo no calor do rio seu metro é fecundo
E o livreto de preço livre a fome mata
Podendo esse poeta viver vagabundo

Ele faz com os coelhos que nas suas tocas
dormem saindo só se a lua no Rio de Janeiro
surge no céu e nos trilhos o ritmo toca

As sandálias gastas do poeta mineiro
contam de seu calor nas terras cariocas
"usar sapatos não dá nesse braseiro!"

quinta-feira, 7 de março de 2013

SD


Tenta tenta escrever filho da puta
que cê tá doido doido demais
roda roda mas não chama o seu juca
cê sabe, isso é o que o brigadeiro faz

Doido, maluco beleza e batuta
só pelo poder de Jah me veio a paz
Tudo doce sem gosto de cicuta
e a moça do chapéu beija o rapaz

toca, toca mas não chama o raul
to louco, to na trava, bateu o sino
esse veio de Saquarema do Sul

todo excesso nos leva pro divino
Dionisio é melhor que Belzebú
sou ele na sua sede de vinho

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Um trabalho bem bolado


A minha vida é irreal, surreal. Muitas vezes se escuta "minha vida daria um livro" mas não é meu caso. Minha vida não daria um livro pois não possui qualquer ponta de verossimilhança. Sim, eu moro na cidade do Rio de Janeiro e vivo as custas de meus versos. Sim, eu vivo de poesia! E antes que os românticos relembrem o casal que vive de amor lhes digo. É meu trabalho, levo poesia de mão em mão nos vagões dessa cidade louca.

Pensando como meu pai, mãe e irmão administradores eu procurei um nicho de mercado, um espaço carente de cultura e principalmente de poesia. Poetas urbanos o Rio está cheio, transbordando. Mas só nos lugares de sempre. É impossível passar na frente do CCBB, Teatro Municipal, Biblioteca Nacional sem encontrar com essas incríveis figuras... 

Eu acho que seria mais um se não fosse por esse tino que veio de família. Meu pai sempre me contou a história de dois funcionários de uma empresa de calçados que foram mandados para a India, o primeiro voltou dizendo que não recomendava de jeito nenhum instalar lá uma fábrica pois ninguém lá usava sapatos, já o segundo voltou dizendo que deviam se preparar imediatamente pois lá ninguém AINDA usava sapatos. 

Na frente dos centros de cultura todos já estão de certa maneira saturados de poesia, vêem e lêem todo dia arte, literatura, poesia.  E são sempre os mesmos frequentadores, um público bem restrito. Dentro dos vagões eu encontro gente de toda sorte que teve o azar de não ter tempo, oportunidade, interesse de degustar um pouco de arte naquele dia. Meus livretos são algo raro dentro dos vagões. São calçados novos num lugar onde tantos nunca experimentaram uma par de sandálias.

O prazer que levo para esses leitores em potencial gera todos os tipos de reações e hoje foi mais um daqueles dias chuvosos que parecem que se não rendem muita grana pelo menos dão ótimas estórias. Sai de casa hoje depois de um bocado de esforço para vencer a preguiça, mas finalmente consegui! A primeira viagem Tijuca-Gal. Osório não foi lá essas coisas, todo mundo desinteressado, com frio e dormindo. Algumas poucas almas tinham um lampejo e me deram cinco reais cada uma em alguns vagões. Um jovem negro que parecia que tinha saido de um dia longo levou meu livro "Sobre Máscaras e Espelhos" com um sorriso branco no rosto. Mas era uma daquelas viagens desestimulantes sem muitas reações positivas. 

Cheguei em Ipanema torcendo para que a volta fosse um pouco melhor, mas não foi. A mesma desanimação e sonolência na maioria dos vagões. O desânimo já ia me abater quando resolvi trocar de linha em Botafogo e seguir o itinerário em direção a Pavuna. Sabe como é, já estava ruim ali, não custava arriscar a sorte em outra linha. Em partes deu certo, havia muita gente animada, feliz e rindo nos vagões. E dai choveu moeda, vagão por vagão os livretos foram vendidos e recebidos com sorrisos lindos. Isso me empolgou que nem vi que passei pela Estação Central. "A estação Central é a última estação para a transferência entre as linhas um e dois" Dessa vez eu não escutei essa frase da moça do aviso sonoro.  

Mancada minha, já era tarde demais e a volta os vagões estariam desertos, como já estava tudo fodido mesmo continuei ali seguindo em direção a Pavuna pois pelo menos a ida tinha gente em cada vagão. Mas como eles não são infinitos acabei o último vagão da composição e saltei em Maria da Graça. Agora era encarar a volta. Enquanto esperava o trem que me levaria até a Central e da central até minha estação de desembarque eu fui dar uma conferida nos rendimentos do dia.

Foi hilário constatar que tinha recebido praticamente a mesma grana indo pra zona sul e indo pra zona norte. Na zona sul menos gente contribuiu com muito e na zona norte muita gente ajudou cada um com um pouquinho. Pode parecer estranho mas fico mais feliz com várias pequenas contribuições do que com uma grandona. Sinto que faço mais diferença, que estou sendo melhor acolhido por tantos ao invés de só por três ou quatro passageiros da zona sul.

Contado o dinheiro o jeito era encarar a volta e sem surpresa entrei nos vagões desertos. Pouca gente no primeiro um livreto vendido para um casal simpático, No segundo um par de idosas comprou os livretos também, no vagão seguinte fiquei de papo com uma linda loira de cabelos longos e unhas compridas e marmorizadas, ela queria levar o livro, mas não tinha mesmo dinheiro e acabou levando só o livreto.

Troquei novamente de vagão na estação São Cristóvão e era um vagão com apenas seis pessoas, um casal se beijando ao fundo, um jovem no seu Ipad, um senhor de idade de camisa vermelha e uma mulher de seus quarenta anos em uma forte crise de gripe. O casal não parou de se beijar, o jovem do Ipad pegou o livreto mas voltou a mexer no Ipad, o senhor recusou e a mulher pegou o livreto com um sorriso cansado no rosto. 

Caminhei pelo vagão esperando o tempo passar, vi que o jovem realmente não ia largar o Ipad por nada e a mulher quando me viu chegando perto perguntou se eu estava vendendo eu fiz que sim com a cabeça e sorri. Ela tinha guardado o livreto em sua bolsa e então o retirou e começou a lê-lo. Nisso chegamos a estação Cidade Nova onde entrou um par de meninas novas mas que recusaram o livreto em meio a um papo muito animado. Estávamos quase chegando na Central e peguei o livreto do jovem do Ipad, ele me entregou sem desgrudas os olhos da tela. 

Caminhei em direção a mulher que estava agora com uma cara bem melhor e disse: "Poesia faz bem né? Quanto custa?" eu como sempre disse que o preço era livre, que poderia contribuir como quisesse e ela começou a remexer na bolsa até que resmungando para si mesma "Só tenho cinco centavos" mas dai olhou pra mim com uma cara de iluminação e perguntou: "Você fuma um baseado?

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Vida


Vermes, em vossos ventres, vis vicejam
vão vagando famintos, verminosos
Vermes, em vossas veias, refestelam
virulências e vícios vultuosos

Vermes, que vos vomitam, vaticinam
vossa vontade vã e vossos vãos viços
virulentos, vazios, velhos que vingam
vagos vilões vilmente vos vividos

Venham ver, não vão passar d'uma aurora
vaga e vazia as vossas vastas vidas
num universo feito do inverso

Venham ver, vão passar num ir embora
voláteis visões das pessoas queridas
vagando voltando em prosa o verso



segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Noturno


toma-me com força
sou da chuva poça
de trocas veladas
e cartas marcadas

sonho que sou moça
de pele de louça
rara e bem cuidada
co'as roupas rasgadas

num toque faminto
por teus fortes dedos
nestes meus mamilos

mas, renego e minto,
seriam teus suspiros
nestes meus segredos?

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Entre a Igrejinha e o Terreiro


De nascimento sou Mineiro
de comida boa com alho e sal
além de doces sem igual
mas vivo no Rio de Janeiro

Não eu num sei tocar pandeiro
surdo, bumba ou berimbau
Mas curto a onda de carnaval
do mêsdmarço inté Fevereiro

Eu larguei meus mares de montes
por mais um por-do-sol no cais
e versos com novo tempero

Vim dos mais belos horizontes
dessas minhas minas gerais
presse tão sacro pardieiro!

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Era pra ser um soneto..


Todos os dias eu travo
uma batalha sem fim
com as palavras
e o que elas querem dizer

com o que elas dizem pra mim
com o que elas dizem pra você

domingo, 20 de janeiro de 2013

Análise literária do soneto "Poeta do Hediondo" de Augusto dos Anjos


O poeta que se intitula Hediondo nos versos deste soneto descreve com riqueza de detalhes o que se passa em seu corpo.  É uma seqüência de detalhes que se assomam num estado de desespero que parece sugerir verso a verso um colapso do corpo, um ataque do coração, um desfalecimento e até mesmo o prenúncio dos seus momentos finais.

Os sons dentais das consoantes "d" e "t" auxiliam a sonoridade do poema a se apresentar como o tema de morte que finalmente surge ao fim do poema. Freqüentemente esses sons se encontram inclusive em posição de destaque sendo as sílabas tônicas de cada verso. Esses sons ecoam ao longo do poema prenunciando a temática fúnebre da morte.

Composto por versos heróicos o poeta demonstra uma capacidade única de domar o ritmo dos polissílabos. Feito raro na nossa poesia tão afeita a tijolos pequenos, o poeta aqui constrói não com azulejos o seu mosaico de versos e sim um castelo de sólidos e pesados componentes. A escolha dessas palavras faz parte do objetivo frio e certo do poeta, de uma poesia de ângulos agudos, de palavras diretas, onde muitos poetas floreiam e rodeiam o poeta em questão é direto, objetivo, científico.  A agudeza de seus versos, o tamanho das palavras que escolhe e a maestria que consegue adequar tudo isso ao metro canônico é um feito hercúleo de raríssimas similitudes na língua portuguesa.

É impressionante a conjugação de concreto e metafórico que o poeta alcança ao tratar de descrever sensações tão viscerais, é impossível não senti-las de imediato ao ler o poema, impossível não sentir em seu peito como seriam essas aceleradíssimas pancadas que abrem o soneto.  Os termos complexos nos fazem sentir entre a mesa de cirurgia e a de autópsia. Um clima de agonia e conflito que não se resolve e apenas cria mais e mais tensão.

Na primeira estrofe temos um Algo que desperta o sujeito poético Algo que dispara as pancadas do coração por ameaçar sua própria vida tratada aqui como existência em seu sentido mais orgânico. A mortificadora coalescência pode ser vista como a própria morte quando o organismo cessa seus processos fisio-químicos que mantém o corpo em funcionamento, é quando todos os elementos do corpo passam a se movimentar para se tornar um só, voltar para a decomposição final uma única unidade de matéria.

E tal processo de morte descrito é causado por algo além do mero infortúnio, é a soma das desgraças humanas, mas não se trata de uma mera soma, é um somatório com fim, objetivo e função. A congregação das desgraças humanas é uma visão de que esses males atuam num processo escatológico, um processo destinado. Há um vaticínio, uma má sorte guiando essas desgraças a fim de resultar no fim do Poeta do Hediondo.

Na segunda estrofe, em seu primeiro verso, é retomada a idéia do coração que bate forte e intenso, são cavalgadas em seu peito que os desnorteiam, que o fazem alucinar. E justamente nesse delírio de agonia surge na mente uma consciência. Uma culpa de um misticismo cientificista que atribui as suas neuronas despertas pela agonia a capacidade de antever seu futuro.

Pela medicina de sua época uma Sonda em seu cérebro é decerto que post-mortem ou por si mesmo uma forma de morte. Com os versos que o antecedem compreende-se que é uma clarividência uma visão de seu futuro à mesa de autópsia. Tendo, inclusive um diagnóstico, um vaticínio sendo a sua causa mortis a mais hedionda generalização do Desconforto. Notando-se aqui um ponto importantíssimo no uso de maiúscula para gravar o desconforto, há uma entificação desse sentimento. Ele é tornado um personagem dessa história maldita. Algo que acompanhou a tanto o poeta que se torna por si algo além de um mero sentimento mas também um Ente de sua narrativa e quem sabe até seu verdadeiro Algoz.

A última estrofe do poema soa depois de sua agonia, morte e autópsia como se estivesse escrita na lápide do poeta. Uma lápide daquele que rejeitou ou não teve como ter para si o consolo do lirismo doce de seus predecessores, que não acreditou no descanso do Parnaso e nem conseguiu fugir para o mundo Onírico do Simbolismo. É uma estrofe que descreve bem seu poema, marcado pela tangibilidade absoluta da carne,

Não se trata aqui da mera pedra do caminho tão cantada por poetas portugueses e brasileiros.  Mas dos ossos, reais e inegáveis. Não há nesses versos de augusta qualidade a possibilidade de imediata abstração, são sim os ossos é sim, a inexorabilidade da morte que está presente. É uma poesia de um vivo que antevê sua morte, que a sente em cada parte de seu corpo. Que canta para ela em Desconforto em uma agonia que se presentifica verso a verso e que nessa última estrofe tenta escapar pelo seu reconhecimento.

O POETA DO HEDIONDO

Sofro acelerassimas pancadas
No coração. Ataca-me a exisncia
A mortificadora coalesncia
Das desgraças humanas congregadas!

Em alucinarias cavalgadas,
Eu sinto, então, sondando-me a consciência
A ultra-inquisitorial clarividência
De todas as neuronas acordadas!

Quanto me dói no rebro esta sonda!
Ah! Certamente eu sou a mais hedionda
Generalização do Desconforto...

Eu sou aquele que ficou sozinho
Cantando sobre os ossos do caminho
A poesia de tudo quanto é morto!

(Augusto dos Anjos -  EU E OUTRAS POESIAS)

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Danoso


Nas fotos eu a vejo
com um sorriso triste
de quem se faz tão feliz
quanto todos querem

Não sei mais o que bate
por sob seus belos seios
na camisola negra de dormir
nem se tem sonhos ou desejos

Sei que ela no seu quarto
ainda guarda o violino
que lhe dei com carinho

E dorme sobre sua cama
o urso de seu tamanho
escrito "Te amo" nos pés

domingo, 6 de janeiro de 2013

Ela


Vazio, medo, desamparo sem par
entre cacos das louças, panos, pratos...
tateia procurando o próprio lar
seguro e sadio do porta-retratos

Vela não encontra mas já sem ar
segura a lâmina tal amuleto
jeito perfeito de presentear
a sua dor com amargo sofrimento

Vaga, sozinha, perdida e estranha
seus olhos são um caudaloso rio
e queima frio seu coração e entranha

Vai segurando a faca pelo fio
morde sozinha uma raiva tamanha
que machuca seu lábio tão macio

Juventude


Voz um pouco rouca, 
não fique sozinha, 
com essas garrafas, 
de vinhos sem safras. 

a tua linda boca, 
que não é só minha, 
beija o corpo meu, 
que não é só teu. 


Obs: Poema de minha autoria publicado originalmente no Poesia Formada em 2004. Redescoberto por encontrá-lo sem autoria num blog qualquer, gostei muito dos versos até perceber que eram meus! Parafraseando meu mestre Quintana: "Sinto-me capaz de fazer um poema tão bom ou tão ruinzinho como aos 17 anos."