Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Poema Natalino

Aos que me dizem
Sou um poeta nato?
Não Nato é meu pai!
que não é apelido

de Renato mas sim
Natalino na verdade
mas não ele não
nasceu no natal!

Quem é que nasceu
foi o meu velho avô
que quis ter um filho
com o nome igual

lá nos idos tempos
de caixeiro viajante
de tropas de burro e
de trem de ferro

Em Alfredo Graça
tinha um armazém
desses de montanhas
de milho e de panos

Meu avô arrendava
um vagão do trem
pra levar de tudo
e trazer também

lá de Caravelas
fim da ferrovia
onde negociava
comprava e vendia

Vovó Terezinha
cuidava da venda
se o velho viajava
e entre uma agulha

e panela vendida
Ela fazia partos
das mulheres grávidas
da vila do Graça

Vovô Natalino
ia do coração
das minas gerais
até na Bahia

Trazia no Natal
fitas pras meninas
e a borracha fazia
festa pros meninos
Enviar um comentário