Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

sexta-feira, 6 de junho de 2014

ÁGUA VIVA: O JARDIM METAFÍSICO

O JARDIM

O Jardim aparece como alegoria a multiplicidade do universo segundo a metafísica de Clarice Linspector em Água Viva. É um elemento cuja a metáfora abarca em si todo o universo da Natureza Espinosiana, "Deus ou seja Natureza" é uma expressão que define bem a concepção de Clarrice em seu panteismo feito em prosa poética dotado de uma polissemia própria e pungente.

Em uma  honesta tentativa de decifrar Clarice Linspector e seu feérico livro Água Viva para uma árida metafísica resolvi por bem não abrir mão do lirismo absurdamente indissociável dessa obra e fazer uma análise mito-poética de sua especificidade universalizante.

"Neste  instante-já  estou  envolvida  por  um  vagueante  desejo difuso de maravilhamento e milhares de reflexos do sol na água que  corre  da  bica  na  relva  de  um  jardim  todo  maduro  de  perfumes,  jardim  e  sombras  que  invento  já  e  agora  e  que  são  o meio  concreto  de  falar  neste  meu  instante  de  vida.  Meu  estado  é  o  de  jardim  com   água  correndo.  Descrevendo - o  tento  misturar  palavras  para  que  o  tempo  se  faça.  O  que  te  digo  deve   ser lido rapidamente como quando se olha."

Jardim é o instante-já onde a Natureza se revela ao leitor em toda a sua compreensão possível de mundo é a forma inteligível que o conhecer humano concebe para ascender ao divino e ao transcendental. Vale dizer que por seu caráter mito poético O Jardim não é mera metáfora do universo em sua totalidade é ele de fato in natura. O olhar rápido e a imediaticidade revelam o primeiro e mais direto contato com a  Verdade que o Jardim representa, a natureza é tautológica per si é “Uma rosa é uma rosa é uma rosa”.

O verso de Gertrude Stein seduz ao um entendimento imediato que apenas a Natureza quando vista pelos olhos poéticos consegue traduzir-se, traduzir-se não. Apreender, pois é um processo que não se prende aos intelectualismos semânticos e sim um processo que se dá por transcendência do conceito em ato de si.

“Sei  da  história  de  uma  rosa.  Parece -te  estranho  falar  em rosa quando  estou me ocupando com bichos? Mas ela agiu de um modo tal que lembra os mistérios animais. De dois em dois dias eu comprava  uma  rosa  e  colocava-a  na  água  dentro  da  jarra  feita especialmente para abrigar o longo talo de uma só  flor. De dois em dois dias a rosa murchava e eu a trocava por outra. Até que houve  determinada  rosa.  Cor-de-rosa  sem  corante  ou  enxerto porém  do  mais  vivo  rosa  pela  natureza  mesmo.  Sua  beleza alargava o coração em amplidões.”

Rosa, a máxima flor,  presentifica-se em meio ao natural reino dos bichos, os próprios reinos são criação do humano em sua tentativa vã de classificar, nomear e dar significado à poética do Jardim.  O cor-de-rosa é uma perfeita representação do estado aparentemente indistinto do real pela ótica humana, mas pela Natureza é representação máxima de um estado que é vivo e verdadeiro. Mesmo que não alcançado pela dialética de olho e mente de quem observa a Rosa.

A prisão da rosa no cárcere doméstico é uma alegoria forte da linguagem que tenta a todo custo dar conta do real sacrificando-o, murchando-o em prol de sua domabilidade, de sua domesticação ao espaço da mente humana. Nomear o Ser é restringí-lo à uma pálida expressão de si mesmo.  A linguagem humana aponta, sugere, faz-se uma sombra sob a Verdade e não a compreede, assim é esperar que a água do jarro nutra eternamente a Rosa que ornamenta a mesa da sala de jantar.

"Para me refazer e  te  refazer  volto a meu estado de jardim e  sombra,  fresca  realidade,  mal  existo  e  se  existo  é  com  delicado cuidado.  Em  redor  da  sombra  faz  calor  de  suor  abundante. Estou  viva.  Mas  sinto  que  ainda  não  alcancei  os  meus  limites, fronteiras  com  o  quê?  sem  fronteiras,  a  aventura  da  liberdade perigosa.  Mas  arrisco,  vivo  arriscando.  Estou  cheia  de  acácias balançando  amarelas,  e  eu  que  mal  e  mal  comecei  a  minha jornada,  começo-a  com  um  senso  de  tragédia,  adivinhando  para que oceano perdido vão os meus  passos de vida."

A compreensão de si que se insere no contemplamento do Jardim é de uma total indentificação entre o eu e o mundo. Uma indissocialidade tântrica que permeia o pensamento Clariceano de tal forma que não há espaço para a metáfora morta o que há é uma absoluta multiplicidade que dissolve o Eu entre as acácias amarelas, entre o espírito da liberdade e as raizes da realidade.

O Suor, elemento tragicamente humano, contrasta como resíduo indesejável da tentaiva humana de lançar luzes sobre a Verdade. A realidade em seu frescor está nos limites fronteiriços das possibilidades do entendimento racional e apenas a poética é capaz de tomar para si um vislumbre momentâneo dessa totalidade panteística.

"Agora vou falar da dolência das flores para sentir mais o que  existe.  Antes  te  dou  com  prazer  o  néctar,  suco  doce  que muitas flores contém e que os insetos buscam com avidez. Pistilo é órgão  feminino  da  flor  que  geralmente  ocupa  o  centro  e  contém  o rudimento  da  semente.  Pólen  é  pó  fecundante  produzido  nos estames  e  contido  nas  anteras.  Estame  é  o  órgão  masculino  da flor.  É  composto  por  estilete  e  pela  antera  na  parte  inferior contornando o  pistilo. Fecundação é a união de dois elementos de  geração  -  masculino  e  feminino  -   da  qual  resulta  o  fruto fértil.  "E  plantou  Javé  Deus  um  jardim  no  Éden  que  fica  no  Oriente e colocou nele o homem que formara" (Gen. 11, 8)."

Em Água Viva Lispector  partilha com Espinoza de um panteismo cristão que torna  Natureza o divino, indissocia e funde num universalismo, aqui simbolizado pelo Jardim, todo o Amor que há enquanto Verdade. E é nessa fusão que se encontra a narrativa de Clarice que sendo uma narradora também é personagem e narrada de sua própria obra. O eu-lirico dessa prosa profundamente poética imiscui-se do Divino para ter em si o initeligível que é próprio da existência que é mesmo quando não dita ou não significada.

A dolência das flores, elemento-símbolo do jardim. contrasta a primeira vista com o Desejo de um Criador e numa descrição absolutamente profana da Flor enquanto sexo e geradora de vida. Clarice inverte a concepção de Criador unindo no Éden todo o humano presentificado no néctar da Natureza. O suco doce das Flores é buscado com avidez pelo inseto mas também pelo próprio homem que sendo parte da Natureza tenta negar que é uno ao Todo nesse Jardim.

"Mas conheço também outra vida ainda. Conheço e quero-a e devoro-a  truculentamente.  É  uma  vida  de  violência  mágica.  É misteriosa  e  enfeitiçante.  Nela  as  cobras  se  enlaçam  enquanto  as estrelas  tremem.  Gotas  de  água  pingam  na  obscuridade fosforescente da gruta. Nesse escuro as flores se entrelaçam  em jardim  feérico  e  úmido."

A gruta  com suas sombras é uma caverna onde o homem contemplas as suas sombras sob a pálida luz fosforescente. É um indicativo do espaço humano dentro desse universo polissemântico, de apenas perceber as sombras, o obscuro.  Um leve contorno daquilo que é de fato.

A avidez descrita por Lispector é parte da ânsia humana que se desvela num mundo onde o homem não participa mais. O Jardim Feérico vai para além da compreensão humana pois é o espaço onde cobras  dialogam com as estrelas, onde a virulência da realidade não tenta impor seu domínio por completo, onde a Vida e a Verdade coexistem em plena harmonia sem mediações artificiais e onde o mistério é aceito como tal.

" No  Jardim  Botânico, então,  fico  exaurida.  Tenho  que  tomar  conta  com  o  olhar  de milhares  de  plantas  e  árvores  e  sobretudo da vitória-régia.  Ela está lá. E eu a olho."

        A contemplação da vitória-régia é uma sintese perfeita da postura da autora frente ao Real. Um simples Ser-em-si. O olhar precedido da existência e nada mais. O Real enquanto presentificação do Ser garante ao olhar do Jardim um êxtase místico. Uma verdadeira existência que esgota o ser humano, a contemplação do Real, exaure o indivíduo pois o mesmo não é capaz de abarcar toda sua infinitude. E a contemplação per si deve bastar pois a linguagem não pode mais do que sugerí-lo Indicar a Natureza é máximo que a mente finita do homem pode fazer em sua comunicabilidade desprovida da universalidade contida no Ser.

        A recorrência do Jardim na prosa de Clarice denota o eterno desejo humano de domesticar a Natureza, de tê-la sob sua capacidade intelectiva e de vontade. Seja por preces ou tubos de ensaio é o homem com sua linguagem tentando cada vez mais dar conta dessa infinitude que o ultrapassa mas que mesmo assim o fascina. A poética de Clarice é uma ode ao humano que conta grãos de areia imaginando-se colecionador de estrelas. 

Enviar um comentário