Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

MEDO DA POLÍCIA

Segunda-feira voltando para casa depois de trabalhar até às oito da noite atravesso o túnel Noel Rosa falando com minha mãe no viva voz do telefone.

Escuto então a sirene de uma viatura da polícia atrás de mim, eu dou seta e mudo de faixa para a direita, reduzo a velocidade para permitir a passagem dela.  A viatura vai para trás de mim ainda com a sirene ligada. Eu sem saber o que fazer reduzo mais ainda. Eles então emparelham comigo e ordenam que eu encoste no posto. Minha mãe percebe meu nervosismo e eu digo que a polícia me mandou parar.

Encosto no posto, desligo o carro e espero a polícia parar com os pulsos apoiados no volante e as mãos abertas. Sinto medo, muito medo. Qualquer movimento errado que eu fizer pode ser justificativa.

Ele pede pra eu sair do carro, eu desço com as mãos abertas a meia altura, saio e encosto as mãos abertas no capô do carro. O policial ri de mim e diz que eu não preciso fazer tudo isso, fico calado, de pernas abertas. O primeiro me revista e dá um tapa no meu saco. O segundo me revista e é mais agressivo que o primeiro.

Me pedem para abrir o porta-malas do carro, encontram a bola colorida do meu menino e uma caixa com livretos de poesia e papel colorido. Me questionam o porquê daquilo de onde eu sou, se eu sou do Rio. Eu respondo que sou de Minas mas que tenho casa aqui. Nenhuma resposta parece estar correta para eles. Revistam, reviram e retiram todo o conteúdo de minha bolsa.

Pedem o documento do meu carro eu entrego aliviado por saber que está tudo em dia.  Ele pega o documento e diz que está faltando uma parte, estou surpreso, digo que não falta nada. Digo que eu passei numa blitz um mês antes e fui liberado com esse mesmo documento.

Dizem que meu carro terá de ser rebocado e pagar uma multa de 512 reais. Pedem pra eu procurar no carro se eu não acho a parte faltando. Enquanto estou procurando um deles vem me perguntar se eu tinha bebido eu respondo que não, que só tinha bebido café. Ele me pressiona e diz que até um chocolate com licor é o bastante pro bafômetro. Me intimida perguntando se eu faria o teste eu afirmo que sim e ele pede pra que eu o acompanhe.

Mais perto da viatura o que estava falando comigo da voz para o outro e fala que realmente vai ter que rebocar meu carro. Eu cansado, peço para me devolverem mina CNH pois iria de táxi pra casa afinal não havia nada pra resolver ali é amanhã iria ao Detran perder un 3 dias de trabalho para reaver meu carro.

Ele tenta distorcer o que eu disse e fala que eu tinha dito que estava a passeio. Eu nego. Me pressiona novamente dizendo que além da multa eu teria que pagar as diárias do pátio. Resignado escuto calado. Ele fala que ia falar com o delegado de plantão sobre o meu caso. O outro policial se "esquece" do bafômetro e se afasta no rádio.

O policial que fica me pede para me afastar da viatura pois ela está gravando. Vamos para perto do carro e ele pergunta se eu quero que falem com o delegado. Eu digo que não. Ficamos ali parados alguns segundos e ele fala que vai me liberar. Me ameaça de consultar o sistema pra ver se. Minha CNH está em dia.

Se despedem de mim, entro no carro nervoso e espero eles partirem antes de ligar o carro, meio desnorteado vou para o lado errado e tenho que manobrar o carro. Ligo pra minha mãe que está tanto ou mais nervosa que eu. Ligo pro meu pai pra acalma-lo também. Chego em casa tremendo de nervoso.

No dia seguinte sou parado numa blitz de verdade. Me pedem os documentos, me pedem para descer do carro e abrir o porta malas. O policial passa a lanterna nos documentos e no porta malas. Me libera sem mais problemas.

Enviar um comentário