Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

terça-feira, 19 de novembro de 2019

Dos anais contemporâneos da arte moderna

Estávamos saindo de casa cedo e  só fui me atentar quando vi a van dos correios estacionada na porta. E me lembrei da cartinha que tinha encomenda me esperando lá nos correios e eu nem me lembrava do que era. Foi uma aventura buscar. E quando conseguimos pegar e abrir os olhinhos dela brilharam tanto!  Eu me fiz de desentendido quando cheguei do trabalho e o meu banho estava preparado na banheira, me fiz de desentendido quando ela quis buscar não sei o que lá embaixo. 

Foi delicioso torturá-la como se não soubesse da ansiedade dela. Só depois de tomarmos um vinho. Pois é, recomendações médicas. Já não posso mais beber cerveja como bebia, nem destilado e muito menos do outro lado. 

Ao menos as práticas sodomitas contínuo liberado. O que seria de mim sem meus rabinhos servis a disposição? Eu durmo tarde pra caramba. Tô sem um pingo de sono. Amanhã acordo com ela me trazendo o café e levanto pra levá-la na biblioteca pra ela estudar pro seu projeto de pesquisa e depois vou pro trabalho fazer minhas pesquisas pra curadoria. 

Ver ela dormindo deitada no seu colo segurando seu pau e roncando de levinho  toda arrombada,  com o bumbum vermelho e ardido depois de ser usada, abusada e orgasmada de mil maneiras diferentes é um prazer único. fico aqui só olhando pra ela e admirando. 

Tá coberta, tá dormindo tão bonitinho com a mão no meu pau, ainda como um nenê, de vez em quando faço um cafuné.Mas a cabeça vai voltar pra noite onde ela abriu toda feliz os embrulhos dos arreios novinhos que chegaram, os arreios de cintura, coxas, de dorso, seios.. Foi um pedido dela, hoje era o último dia de buscar nos correios e eu tinha me esquecido.

Ela toda amarrada, apertada, empinada, arreada para mim, irresistível com os seios empinados, deliciosos, um convite malicioso que eu eu não poderia negar jamais, me levantei como quem vai avaliar melhor o presente que deu. e cheguei mais perto e apertei as fivelas, uma a uma. ajustando onde estava frouxo, deixando justo, 

Colocando suas carnes já não tão mais magrinhas como quando a conheci na justa medida dos arreios, sim conforme lhe apresentei os prazeres da gula e da bebedeira alguns quilogramas a mais de pura delícia apareceram em seu delicioso corpo. Só para meu prazer. Deslizei minhas mãos pelo seu corpo. passeei pelos seus cabelos, seios, lábios, sexo.  Tudo delicioso. Peguei no baú a varinha mágica, e as fitas expansíveis de esportistas e as posicionei bem colocadas para segurar bem em cima de seu sexo de modo a lhe causar delírios. 

Os quadros novos nas paredes eram uma boa inspiração, me sentia um mecenas de arte contemporâneo, um alguém cheio de virtude e como tal podia e devia brindar e comemorar da maneiras mais dionisíacas nessa noite pois a arte não vive só de momentos apolíneos. E na minha parede de mapas e bordados a prendi as mãos nas coleiras afixadas no tapume de madeira. 

Lhe dei com bastante  carinho cutisanol e bepantol em seu orifício anal enquanto massageava calmamente suas nádegas com um gel dotado de vitamina E. Seu rabinho brilhava no espelho e a varinha mágica fazia seu corpo todo tremer e já era possível ver seu líquido de prazer escorrer na altura dos joelhos.  E para completar o conjunto a pluguei com uma joia de minha cor favorita, o vermelho. 

Retirei um chicote, uma focinheira, uma sineta e instalei a focinheira e a sineta. O jogo era mais divertido assim. Não se tratava apenas da dor pura e simples. Havia um espelho de frente a nós e todos os nossos movimentos eram vistos e revistos, cada gesto, cada segundo nosso era  contado e recontado, ajustado e medido. O menor barulho da sineta faria a punição do chicote ser pior.  E então comecei, o chicote bem de leve, a tensão de não fazer barulho a fazia imóvel, estática, era a pior tortura. não poder esboçar reação. 

Nenhuma reação a varinha mágica, nenhuma reação aos tapas, as carícias, as lambidas, toques, invasões, usos e abusos, e os vermelhos, vergões sofreguidões iam se tornando cada hora mais intensos e ousados.  Até que me dei por satisfeito, ambas as nádegas já estavam da cor que eu queriam de um vermelho bonito, um vermelho lindo. Um vermelho carmim e reconfortante ao toque. 

Retirei com carinho o plug  e meu falo o substituiu com toda fluidez, um suspiro marcou o contato de minha virilha com suas nádegas róseo-rubras e minha penetração foi intensa como ditava a vontade narcísica do espelho que estava ali em frente. Ela amarrada na parede de sisal não cabia outra alternativa senão penetrá-la mais e mais enquanto o estímulo vaginal incessante vindo da varinha mágica lhe mantinha no transe constante. 

A penetração passou ela fases de seu corpo todo arrepiar, de seu corpo todo arquear, de seus arfares, de seu pedido delirante para parar, de sua respiração pesada, de seu tremor delirante, de seu implorar, o tremor intenso e absoluto, de sentir meu falo inteiro sendo devorado durante o orgasmo que apertava e soltava enquanto suas pernas fraquejavam e o corpo tremia  e voltava em um inconfundível deleite, até meu próprio gozo, seguido de uma pequena tortura após.  onde pude deliciar-me  com meu brinquedinho semi desfalecido em seu calvário,  presa pelas mãos sustentada pela minha pica e mãos. a varinha em seu sexo já dormente. E eu calmamente ainda lhe fodendo o rabo como se nada tivesse acontecido, por pura maldade. 

Para só depois soltar mãos, braços, antebraços e tudo mais da parede  dos bordados , coleiras mapas e sisal. a levei pra cama, onde tiramos seus arreios, e seu rosto de menina satisfeita e feliz contrastava com sua exaustão e desejo de quero mais, deitou-se aninhada à minha perna esquerda, querendo mais, mas adormeceu ali, segurando meu pau, como um bebê com seu brinquedo favorito.

Sem comentários: