Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

segunda-feira, 25 de maio de 2020

Descontrole

Certa vez uma moça veio em minha casa com uma blusa listrada estávamos morrendo de saudades um do outro, da moça e não da blusa obviamente.  

Depois de duas garrafas de vinho a blusa se misturou com minha calça em algum canto do quarto e minhas pernas se misturaram com suas coxas na cama. 

Foi uma longa noite que poderia durar uma semana de tão gostosa que estava mas na manhã seguinte, depois de termos dado uma segunda rodada e tomado café, ela me pergunta:

-Tô muito descabelada? 
-Não até que não está, seu cabelo continua lindo.
Eu disse sorrindo, o cabelo dela era incrível continuava perfeito mesmo no dia seguinte. Mas ela parecia contrariada:
-Me ajuda a encontrar minha blusa listrada?

Procuramos, reviramos, travesseiros, cobertores, tapetes, roupas, toalhas e nada. Nem o menor sinal da blusa listrada. 

Fomos nos dois derrotados pelos gnomos esconde dores de roupas. E eu emprestei uma camiseta minha de cor amarela que combinava bem com sua pele. Não era como a dela. Mas serviria por enquanto. Ela terminou de se vestir tomou o carro de transporte e foi pra casa a tempo do almoço de família.

Voltei pra casa, pro meus afazeres sérios de procrastinar meu dia até que perdi o controle remoto da televisão e novamente me meti na labuta de revirar o quarto e não é que nesse momento a blusa listrada ressurge do nada? 

- Achei sua blusa listrada.
- Não creio! Como você achou?
- Procurando o controle da tv.
- Tá foda né! 
- Vê se você por acaso não vestiu ele ai
- Meu Deus...

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Tá achando que esquerda é bagunça?

Tem algo que eu odeio mais que bolsonarista. É o tal do Isentão, isentão que já está jogando o Bolsonaro no colo da esquerda como se fossem a mesma coisa. Como se não tivessem apertado felizes 17 com a esperança do Bozo vender até a última estatal e privatizar até o ar de nossos pulmões. E agora que viram que o Filho duma chocadeira é exatamente como a gente descreveu e como ele próprio dizia que ele era. Estão correndo pra de livrar da culpa e se mostrarem como salvadores da pátria. 

Sinceramente? Quem botou ele lá que tire.  Sim senhora Globo, sim senhor Dória, Witzel, Aécio, Zema e companhia. Quando vocês fizeram a merda de manipular o debate em 89 para botar Collor lá o PT fez das tripas coração pra tirar o playboy de lá. Mas todo desgaste de tirar o bode da sala rendeu louros para o príncipe dos sociólogos o novo queridinho da Vênus Platinada. 

Agora fazer cara de nojinho, dizer-se arrependido, enganado, surpreso só me dá vontade de arrastar a cara de cada um de vocês no asfalto quente. Porquê é muita cara de pau. Os trinta anos desse merda no congresso não deixavam dúvidas de seu sonho dourado Miliciano. Até a porra da sua camisa de campanha era uma imitação barata do pôster do poderoso chefão! E que vontade de xingar quem dizia que eu estava sendo exagerado quando eu apontei isso na campanha, que isso era mera coincidência. Pois até seu condomínio é um condomínio mafioso com assassinos e traficantes de armas como vizinhos! É uma paródia mais que perfeita. 

Não me venha botar mais essa na conta da esquerda. Já tô de saco cheio de arguir os historiadores sobre esses assuntos, assim eles merecerão ganhar adicional de insalubridade para responder perguntas como estas se Bolsonarismo, integralismo e nazismo são de direita ou de esquerda. Porquê anauê é o raio que o parta.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

O que diria Fedro?

Cada deus embriagado
numa arena enluarada
no hipódromo do Olimpo
de mão em mão a sua benção

Por eles agraciado
com a minha biga alada
de chucros cavalos negros
Distraído e Depressão

Não basta vinho de Baco
nem os  beijos de Afrodite
e por mais que Eris me irrite

Pra Apolo não tenho saco
Hera e Zeus? Não sou padre.
quiçá ao Hades se acabe!

sábado, 2 de maio de 2020

Era como se fosse Domingo

Ele já teve uma casa boa para ir em cada capital. Para pernoitar, se deixar ficar e se arrumar. Antes, depois e após cada festa e funeral. E eram muitos os que já fora convidado. Sim, já fora convidado. Não mais. Nunca mais.  Hoje nesse primeiro de maio de ruas desertas e infectadas doía sua barriga de fome, suas víceras de vício. 

Nunca fora por assim dizer um trabalhador. Mas sempre um entusiasmado defensor de suas causas. Suas pernas cansadas pararam, sua respiração pesada por detrás da máscara pediam por um ar fresco inexistente.

Sacou o molho de chaves, ela não trocaria o segredo, não importa o que acontecesse. Era contra seus princípios. Arrastou o portão de ferro que rangeu em protesto como sempre fez nesses trinta e três anos que moravam ali. Ele riu-se havia vinte que já não morava mais. Mas onde ele diria que era sua casa senão ali?  
 
O Primogênito pousou seu pé no primeiro degrau e forçou seu corpo magro ao alto como se o mesmo de repente pesasse muitas arrobas. Vencendo os degraus pouco a pouco viu que o arrombado do seu irmão caçula fora alertado pelo portão escandaloso como acontecia sempre que ele tentava voltar desapercebido das escapadas noturnas. 

Marcelo vestia em seu corpanzil de ex atleta obeso um passeio completo com direito gravata, quem mais faria isso para visitar os próprios pais no feriado no dia do trabalhador, ou como diria o próprio dia do trabalho? Mas não, não usava máscara tinha dinheiro para pagar as vacinas importadas que custavam seu peso em ouro.

- Marcos, Mamãe não vai lhe receber - disse Marcelo em meio a mini floresta que era a entrada da casa após a escadaria - Nós estamos no meio do almoço.
- Mas já são três e quarenta e cinco da tarde - exasperou Marcos de olhos injetados - Ninguém almoça tão tarde. 

O portão lá embaixo bateu, ambos os irmãos ignoraram solenemente. A campainha estava estragada novamente?

- Quinze pras quatro - Marcelo, corrigiu friamente - Você bem sabe como papai se demora para cozinhar nos fins de semana.
- Quem se importa, não vou me demorar - insistiu
- Hoje não Marcos, não comigo aqui. 

O portão bateu novamente, agora ambos se entreolharam e o ar contaminado pesou ainda mais. 

- Você não tem esse direito. - Marcos rosnou por detrás da máscara. 
- Não só tenho como estou fazendo. - sorriu triunfante de orelha a orelha e completou como dá ordens a um subalterno - Já está na hora de ir  vá ver quem está no portão, sua mãe espera por seu filho. Parece que você não conseguiu estragar de todo o garoto.

Fuzilado por aquelas palavras tateou cegamente sem resposta o corrimão da escada, desceu como um cão enxotado da porta da igreja, desceu cambaleante  se apoiando nos espaços vazios que encontrava pelo caminho até se separar com o portão dedo duro que xingou mentalmente pela milionésima vez.  Ao abrir o portão deu-se de cara com o grande clichê, a sua versão mais jovem, melhorada, sem todas as suas burradas, erros e cagadas.

- Pai - Miguel olhou pra ele num misto de espanto e alegria e o abraçou - Não esperava ver você aqui. Vovó deve estar tão feliz! Já faz meses que ela fala que estava preocupada contigo.
- Não pude entrar, Marcelo. - Marcos cortou secamente.
- Filho da Puta! - Gritou Miguel na fúria dos dezoito anos.  - isso não vai ficar assim.
- Não faça isso, não se exalte assim, não compre essa briga. Eu não valho a pena - os olhos de Marcos estavam completamente vazios - escolha melhor do que eu as brigas que vai entrar.
- Então eu vou com você, vamos almoçar juntos! - Miguel disse num estalo -  Abriu um restaurante de comida inuite novo que está todo mundo comentando que adoraria que fosse comigo. 
- Eu já almocei são quinze pras quatro - mentiu Marcelo - quem almoça a essa hora? Além do mais mamãe iria ficar muito triste em não ver seu neto favorito. - completou rindo
- Mas eu sou o único! 
- Justamente!
- Como eu lhe encontro? 
- Meus contatos continuam os mesmos.
- Mas você nunca responde.
- prometo que agora vou responder
- Vamos almoçar juntos essa semana?
- Vamos.
- Promete?
- Prometo.

Marcelo deu um abraço afetuoso em seu filho, o viu subir as escadas, fechou e trancou o portão.
Caminhou sem rumo  ou direção. Sentou numa praça. Sentia fome. Mas pior que isso era o que lhe despedaçava o orgulho. E se pôs a chorar o velório da sua vida de merda.

sexta-feira, 6 de março de 2020

Porquê o mineiro se encanta ao ver o mar

Mineiro tem mais culpa na alma do que tem  minério nas suas montanhas. O minério século após século escavamos, primeiro ouro, depois o conto diamantino, por fim o pesado minério de ferro vermelho, sanguíneo, perene que tudo mancha e não sai. A cada chuva após caprichosa estiagem faz das estradas um rio vermelho, um fluxo menstrual de pó de asfalto, minério e água. Mas, ao menos dessa, vez não há lençol branco para se esconder. O que nunca mudou foi a culpa. A culpa essa estranha a gente entranha cada vez mais. Culpa, matéria prima da Santa Igreja Católica Apostólica Romana que montanha por montanha por suas ordens terceiras ergueu igrejas lindas Barrocas, Rococós, ornamentadas com folhas douradas, meticulosamente entalhadas, esculpidas,  cravejadas, madeira, pedra-sabão e rubi. Vigiar e punir foi lavrado nas bateias de ouro preto bem antes de ser cunhado em terras além-mar, por aqui há muita janela lateral para pouca namoradeira. Culpa, medo, tão fortes são que até tombamento histórico prévio de igrejinha recém inaugurada se faz em minas. Os horizontes são belos mas, que medo que dá saber o que há do lado de lá das montanhas que se vêem na linha do horizonte para todo lado que se olha, estar cercado de montanhas é ter muralhas naturais em cada uma de suas grandes ou pequenas cidadezinhas, que igualmente protegem e sufocam.

quarta-feira, 4 de março de 2020

Paz(tiche)

Encontrei a paz
e já aceito bem
meu vício é ver
um ser qualquer
transpirando
ao talhar a pedra,
ou numa pintura,
fazendo seu verso,
no seu gozo,
numa laje
vira massa,
vira terra,
numa horta,
num pomar,
num jardim,
no canteiro
central da
autopista
numa máquina,
numa troca
de pessoa
ao volante,
que se joga
pro seu canto
reza forte
para Bara
erra o tiro
mas o berro
da polícia
tá chegando;

Minha musa
tão safada
vê beleza
nisso tudo,
bebo um gole
de não sei
também sou
caprichoso
indolente
com meus versos
pasticheando
num sadeano
prazer métrico.

domingo, 16 de fevereiro de 2020

Poliana polivalente

Porquê matar dois coelhos
com uma caixa d'água só
é usar vestido de festa 
junina no carnaval

De saco cheio: Poema x Poesia

Poema é o que você 
rasga, embola, joga fora
e finge que nunca existiu
porque ficou uma merda.

Poesia foi o que você
achou que era motivo 
inspirador o bastante
pra escrever aquela merda.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

A RABA DA BUNDA

Olê aí a ô
A raba da bunda
Olê aí a ô

[A raba da bunda
Olê aí a ô]

Nessa raba tem um rego
Ó que rego!
Belo rego!
Ai ai ai que amor de rego
O rego da raba

[REFRÃO]

Nesse rego tem um cu
Ó que cu!
Belo cu!
Ai ai ai que amor de cu
O cu do rego
O rego da raba

[REFRÃO]

Nesse cu tem um fogo
Ó que fogo!
Belo fogo!
Ai Ai Ai que amor de fogo
O fogo do cu
O cu do rego
O rego da raba

[REFRÃO]

Neste fogo tem um tesão
Ó que tesão!
Belo tesão!
Ai ai ai que amor de tesão
O tesão do fogo
O fogo do cu
O cu do rego
O rego da raba

[REFRÃO]

Nesse tesão tem uma pegada
Ó que pegada!
Bela pegada!
Ai ai ai que amor de pegada
A pegada do tesão
O tesão do fogo
O fogo do cu
O cu do rego
O rego da raba

[REFRÃO]

Nessa pegada tem uma tara
Ó que tara!
Bela tara!
Ai ai ai que amor de tara
A tara da pegada
A pegada do tesão
O tesão do fogo
O fogo do cu
O cu do rego
O rego da raba

[REFRÃO]

Nesta tara tem uma cintura
Ó Que cintura!
Bela cintura!
Ai ai ai que amor de cintura
A cintura da tara
A tara da pegada
A pegada do tesão
O tesão do fogo
O fogo do cu
O cu do rego
O rego da raba

[REFRÃO]

Nessa cintura tem uma raba
Ó Que raba!
Bela raba!
Ai ai ai que amor de raba
A raba da cintura
A cintura da tara
A tara da pegada
A pegada do tesão
O tesão do fogo
O fogo do cu
O cu do rego
O rego da raba

[REFRÃO]

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Metafísica

O órgão do prazer
sensual é o cérebro  
restante é acessório
Orgasmo é a mente
trespassando o corpo

Que surge e se sente
em tantas partes
e de tantas formas
quanto se há poros
no seu rosto.

sábado, 25 de janeiro de 2020

Mediterrâneo

Sei que há quem cultive
amores platônicos...
Mas eu me dou mais
com o beijo grego

quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

Dissoneto

Eu gosto mesmo de conduzir
sem pressa e trocar marchas
dedilhar com muito carinho
testar limites e fazer absurdos

Levantar sua saia e comer 
seu rabinho no capô do carro 
debaixo do viaduto as duas 
da madrugada num dia de semana

Eu normalmente não fumo
mas você quer um cigarro
tem no porta luvas do carro

Um trago enquanto me refaço
em seu boquete pós sexo
limpando meu falo de seu cu

sábado, 30 de novembro de 2019

Djafu

Teus milicos se metem as mãos nos pés Mas pra fora eu te incendeio Teu votar não me diz exato o que tu queres Mesmo assim eu te incendeio Te venderia a qualquer preço Porque sou ignorante e mereço te incendiaria tal Caetano a Leonardo di Caprio é um milagre Tudo que Deus criou foi via lei rouanet Fez a Ancine, fez o Niemeyer Sem pensar em nada, fez a familicia e deu no que deu

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Das vaidades post mortem

Podem mijar no meu túmulo
quebrar o meu epitáfio
até foder com meu cadáver...

Mas, por obséquio, jamais
coloquem os seus poemas
piegas na minha boca!

terça-feira, 19 de novembro de 2019

Dos anais contemporâneos da arte moderna

Estávamos saindo de casa cedo e  só fui me atentar quando vi a van dos correios estacionada na porta. E me lembrei da cartinha que tinha encomenda me esperando lá nos correios e eu nem me lembrava do que era. Foi uma aventura buscar. E quando conseguimos pegar e abrir os olhinhos dela brilharam tanto!  Eu me fiz de desentendido quando cheguei do trabalho e o meu banho estava preparado na banheira, me fiz de desentendido quando ela quis buscar não sei o que lá embaixo. 

Foi delicioso torturá-la como se não soubesse da ansiedade dela. Só depois de tomarmos um vinho. Pois é, recomendações médicas. Já não posso mais beber cerveja como bebia, nem destilado e muito menos do outro lado. 

Ao menos as práticas sodomitas contínuo liberado. O que seria de mim sem meus rabinhos servis a disposição? Eu durmo tarde pra caramba. Tô sem um pingo de sono. Amanhã acordo com ela me trazendo o café e levanto pra levá-la na biblioteca pra ela estudar pro seu projeto de pesquisa e depois vou pro trabalho fazer minhas pesquisas pra curadoria. 

Ver ela dormindo deitada no seu colo segurando seu pau e roncando de levinho  toda arrombada,  com o bumbum vermelho e ardido depois de ser usada, abusada e orgasmada de mil maneiras diferentes é um prazer único. fico aqui só olhando pra ela e admirando. 

Tá coberta, tá dormindo tão bonitinho com a mão no meu pau, ainda como um nenê, de vez em quando faço um cafuné.Mas a cabeça vai voltar pra noite onde ela abriu toda feliz os embrulhos dos arreios novinhos que chegaram, os arreios de cintura, coxas, de dorso, seios.. Foi um pedido dela, hoje era o último dia de buscar nos correios e eu tinha me esquecido.

Ela toda amarrada, apertada, empinada, arreada para mim, irresistível com os seios empinados, deliciosos, um convite malicioso que eu eu não poderia negar jamais, me levantei como quem vai avaliar melhor o presente que deu. e cheguei mais perto e apertei as fivelas, uma a uma. ajustando onde estava frouxo, deixando justo, 

Colocando suas carnes já não tão mais magrinhas como quando a conheci na justa medida dos arreios, sim conforme lhe apresentei os prazeres da gula e da bebedeira alguns quilogramas a mais de pura delícia apareceram em seu delicioso corpo. Só para meu prazer. Deslizei minhas mãos pelo seu corpo. passeei pelos seus cabelos, seios, lábios, sexo.  Tudo delicioso. Peguei no baú a varinha mágica, e as fitas expansíveis de esportistas e as posicionei bem colocadas para segurar bem em cima de seu sexo de modo a lhe causar delírios. 

Os quadros novos nas paredes eram uma boa inspiração, me sentia um mecenas de arte contemporâneo, um alguém cheio de virtude e como tal podia e devia brindar e comemorar da maneiras mais dionisíacas nessa noite pois a arte não vive só de momentos apolíneos. E na minha parede de mapas e bordados a prendi as mãos nas coleiras afixadas no tapume de madeira. 

Lhe dei com bastante  carinho cutisanol e bepantol em seu orifício anal enquanto massageava calmamente suas nádegas com um gel dotado de vitamina E. Seu rabinho brilhava no espelho e a varinha mágica fazia seu corpo todo tremer e já era possível ver seu líquido de prazer escorrer na altura dos joelhos.  E para completar o conjunto a pluguei com uma joia de minha cor favorita, o vermelho. 

Retirei um chicote, uma focinheira, uma sineta e instalei a focinheira e a sineta. O jogo era mais divertido assim. Não se tratava apenas da dor pura e simples. Havia um espelho de frente a nós e todos os nossos movimentos eram vistos e revistos, cada gesto, cada segundo nosso era  contado e recontado, ajustado e medido. O menor barulho da sineta faria a punição do chicote ser pior.  E então comecei, o chicote bem de leve, a tensão de não fazer barulho a fazia imóvel, estática, era a pior tortura. não poder esboçar reação. 

Nenhuma reação a varinha mágica, nenhuma reação aos tapas, as carícias, as lambidas, toques, invasões, usos e abusos, e os vermelhos, vergões sofreguidões iam se tornando cada hora mais intensos e ousados.  Até que me dei por satisfeito, ambas as nádegas já estavam da cor que eu queriam de um vermelho bonito, um vermelho lindo. Um vermelho carmim e reconfortante ao toque. 

Retirei com carinho o plug  e meu falo o substituiu com toda fluidez, um suspiro marcou o contato de minha virilha com suas nádegas róseo-rubras e minha penetração foi intensa como ditava a vontade narcísica do espelho que estava ali em frente. Ela amarrada na parede de sisal não cabia outra alternativa senão penetrá-la mais e mais enquanto o estímulo vaginal incessante vindo da varinha mágica lhe mantinha no transe constante. 

A penetração passou ela fases de seu corpo todo arrepiar, de seu corpo todo arquear, de seus arfares, de seu pedido delirante para parar, de sua respiração pesada, de seu tremor delirante, de seu implorar, o tremor intenso e absoluto, de sentir meu falo inteiro sendo devorado durante o orgasmo que apertava e soltava enquanto suas pernas fraquejavam e o corpo tremia  e voltava em um inconfundível deleite, até meu próprio gozo, seguido de uma pequena tortura após.  onde pude deliciar-me  com meu brinquedinho semi desfalecido em seu calvário,  presa pelas mãos sustentada pela minha pica e mãos. a varinha em seu sexo já dormente. E eu calmamente ainda lhe fodendo o rabo como se nada tivesse acontecido, por pura maldade. 

Para só depois soltar mãos, braços, antebraços e tudo mais da parede  dos bordados , coleiras mapas e sisal. a levei pra cama, onde tiramos seus arreios, e seu rosto de menina satisfeita e feliz contrastava com sua exaustão e desejo de quero mais, deitou-se aninhada à minha perna esquerda, querendo mais, mas adormeceu ali, segurando meu pau, como um bebê com seu brinquedo favorito.