Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Pena dos poemas

Bem eu não espero
sou só desespero
Não por mim mas sim
por quem o seu fim

Vem pelo milico
servindo o rico
cidadão de bens
posses e amens

No fio do esmero
sádico e sincero
Virá tal marfim
sangrando o capim

Pisando na grama
com força da grana
e nos corpos pretos
pardos, mulatos

Nossos nativos
mais mortos que vivos
serão só retratos
dos livros mais gastos

Fica sem história
sem uma memória
do que nós tentamos
sem flores, só danos

Enviar um comentário