Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Coca-Cola

Ele estava sentado na beira do balcão, na segunda cadeira antes de seu fim. Trajava um terno de trabalho. Pedira um drink de gin olhando nos olhos do garçom e sorrindo pois acreditava que assim pareceria mais simpático e cortêz.

Se sentara naquela posição pois assim saberia que não haveria muita gente atrás de si caso precisasse sair, não que ele temesse algo, que estivesse sendo perseguido, apenas gostava de manter-se sempre seguro.

Ele ria para dentro de si vendo o garçom limpar os copos com uma toalha, era uma cena cinematográfica demais para que alguém o fizesse no mundo real. Mas seu riso se calou quando viu pelo reflexo do copo ela entrar naquele bar.

Depois do reflexo escutou o som de seus passos que estranhamente estavam ao ritmo da banda de jazz que se apresentava ali naquele momento.Quem ainda usava sapatilhas com solas de madeira? Quem ainda usava saia plisada depois que saia do colegial? E quem usava pares de óculos tão grossos?

Ela havia entrado na primeira porta que vira ao dobrar a rua, acabara de ser despedida da cia de dança na qual sacrificara meses de árduos ensaios. Torceu o nariz, o cheiro de tabaco e outras ervas queimadas empesteava o ambiente e desde a infância, quando tivera crises asmáticas, passou a detestar odores fortes.

Sentiu as pernas tremerem ao ver que mais de um par de olhos a examinaram quando entrou. Sentia os olhos como agulhas cravejando em suas pernas, seu busto, seus lábios e até em suas nádegas. Porém respirou fundo pois tinha que manter sua postura de indiferença.

Dirigiu-se ao balcão uma cadeira vazia estava perto demais da outra ocupada. Era cedo e tinham mais quatro bancos vazios, não se sentaria na outra ponta, não queria demonstrar medo.  Sentou-se numa ousadia há uma cadeira de separação daquela ocupada. Sentiu-se bem consigo, ela precisava se desafiar.


- Uma coca-cola por favor. - Ela não sorriu e nem olhou para o garçom.
- Light senhora? - Se fora invisível para ela, ele sequer levantou a cabeça para identificar quem era.
- Não, pode ser a normal mesmo...

Ele se virou curioso, uma mulher que pedia coca-cola de verdade ainda existia? E seus olhos de soslaio a examinara mais atentamente. Não era feia e nem gorda. Ali não era um bar de artistas, porque diabos ela fora até ali destoando tanto de todos os demais?

Ela percebeu aquele olhar dele por mais que tivesse sido discreto e talvez, exatamente, por essa discrição ele chamou a sua atenção mais do que  qualquer um dos tantos olhares que recebeu desde que ali pisou. Mas quando foi se atentar para as feições dele já era tarde. Ele havia se levantado e caminhado de costas sem sequer olhar para trás. Tudo que pôde apreciar era como suas nádegas eram firmes e a calça se ajustava a cada passo destacando-as ainda mais.

Ele precisava distrair a mente, não podia se deixar levar pela primeira mulher que lhe chamava a atenção. Ele sempre fora bom com o taco e a sinuca estava vazia. Passeou por entre as tantas hastes de madeira, conferiu a envergadura e depois de ajeitar as bolas no centro da mesa fez-se sombra atrás de si e escutou a voz de coca-cola:

-Posso jogar?
Enviar um comentário