Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Cruel

Lucas C. Lisboa

Corte o fio do novelo
no qual você me teceu
sonhos e que o pesadelo
de rubro sangue manchou

É do seu lábio o vermelho
que minha boca rasgou
quando ocorre o mau conselho
de quem o engano pregou

São gralhas de mau agouro
que tem veneno prum touro
mas como doçura de mel

Porque deixou se embalar
numa canção de ninar
na linha do carretel?
Enviar um comentário