Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

quinta-feira, 21 de julho de 2011

A fé da ciência

Lucas C. Lisboa

Qual é a linha tênue que separa a fé da ciência? Quando um conhecimento vira mero misticismo e deixa de ser a verdade para um povo? O método científico guarda em si muito do modus operandi da própria experiência mística.

Dizem que o que os distinguem é o dogmatismo. Quem diz isso decerto que não conhece os debates acalorados dos medievais sobre questões e minúncias teológicas, sobre formas lógicas e todo o rigo que pode chegar o estudo das verdades pré revolução científica.

Além disso, dizer que a própria ciência é livre dos perigos do dogmatismo é uma falácia sem tamanho. A comunidade científica é lenta como um estegossauro quando se trata de revoluções, de mudar seus paradigmas. Um cientista que diz que todos os cisnes são brancos, ao se deparar com um cisne negro, prefere batizá-lo de visne a mudar sua teoria a respeito da hegemonia do branco nos cisnes.

Antigamente aqueles que buscavam a verdade subiam aos montes, trajando mantos ornamentados, se entorpeciam com ervas e cânticos e de lá traziam as respostas do universo. 

Hoje aqueles que buscam a verdade se trancam em laboratórios, trajando jalecos brancos com o crachá do lado, se entorpecem com café e cálculos e de lá trazem as respostas do universo.

Se antes a fala do sarcedote era a lei divina, hoje quando o senhor de jaleco branco  diz sobre algo é a divina ciência que está proferindo seu veredicto que deve ser seguido à risca sob pena de incorrer na ignomia de seguir crenças "irracionais" da mesma forma que outrora eram condenados ao inferno quem adorasse falsos deuses.

O homem tem uma necessidade tão forte de se afirmar dentro de um paradigma, qualquer que seja ele, que se arroga no direito de cientificisar a  religião e imprimir de fé a ciência. Na nossa era tecno-científica os sarcedotes, portadores da verdade, usam jaleco branco.

Enviar um comentário