Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

terça-feira, 30 de agosto de 2011

A virgem do Cabaré

Lucas C. Lisboa

Dez minutos uma era
nos trinta jaz descontente
rói o esmalte como fera
até chegar na carne rente

A boa moça descabela
bate a bota no batente
da porta na longa espera
do seu primeiro cliente

Ela, uma boa moça pura
treme a perna sem postura
que dê jeito a sua pressa

Mal vê quando a tecitura
do vestido cai na procura
sem mais amor ou promessa
Enviar um comentário