Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

Meu doloroso

Lucas C. Lisboa

Eu jurei: Ser dominada? Nunca! Jamais!
como eu lhe odeio, foi injusto demais!
disse e me lembro como seu riso resoou...
Ele, por um erro menor, me esbofetou!

Mas pior, seduziu-me a pedir por mais...
Sob seu jugo, sofri torturas abissais!
Com seu pulso o controle de mim conquistou;
e pela dor e subjugo por fim me adestrou.

Porque é Ele quem me corta, marca e perfura...
e quem me faz esquecer da dor mais que forte.

É Ele que no fim sempre me deixa confusa...
mas também quem me dá esse tão seguro norte.

A luz útlima da vida insossa e escura...
devo a Ele essa que é a mais desejada sorte.
Enviar um comentário