Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

sexta-feira, 7 de março de 2008

meu anjo

Lucas C. Lisboa

eu lhe escrevo este poema
com uma formosa pena
d'um cativo anjo arrancada
que jaz em minha morada

e não há culpa q'eu tema
nem tenho nenhuma pena
da sua asa delicada
pelos versos depenada

suas lágrimas são a tinta
que mancham o meu papel

Seu copioso pranto encanta
tal canto de menestrel

Sua tristeza faz q'eu sinta
um gostoso drink de fel
Enviar um comentário