Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Pois seus beijos nunca foram sinceros

Lucas C. Lisboa

Após nosso para sempre
nada foi que me restou
eu queria a verdade ou
ser feliz eternamente?

Minha boca inda inocente
sabor amargo provou
Eu não sei quem mais errou
quem acredita ou quem mente

Com nosso sonho o que faço?
Como sonhar tão sozinho?
Como não mais lhe querer?

Sem você sou só pedaço
Em meu pesadelo daninho
indo aos poucos me perder

6 comentários:

Anónimo disse...

Quem foi que te deixou assim? òÓ

Ataualpa Pereira disse...

Ora veja, há muito te vejo versos teus neste teor...


(sim, faço parte do clube)

Ataualpa Pereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alê Quites disse...

e, belo!
Salve!

Marcelo disse...

Haha! Cê colocou o "pois" até no título? Aí já é abuso... hahaha!
Tá lindo, lindo! (sim, eu já tinha lido antes e pensado a mesma coisa, mas uma segunda leitura é sempre mais intensa)

Anónimo disse...

o bom mentiroso mente para quem?? como pode entregar a eternidade nas mãos de alguem?? não ha quem mereça tanto... lindo texto!!
bjo