Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Avaliação literária do Soneto Conto de Fadas de Florbela Espanca

Florbela d'Alma Espanca é uma poetisa do simbolismo português, nascida em Vila Viçosa no fim do século XIX. Ela enfrenta os novos ares da poesia modernista com um vigor sustentado por sua feminilidade, misticismo e oniricidade que permeiam todos os seus versos. Sonetista de raro refinamento, escreve de maneira tão íntima da linguagem, como se a própria lhe pertencesse, torcendo os símbolos, recriando as formas e inovando dentro de seu estilo aprendido em grandes mestres da técnica que vão de Luiz de Camões a Antero de Quental. 

Soror Saudade, epíteto que ganha do poeta Américo Durão, adota um estilo fora de seu tempo. Esse se particulariza entre tantos poetas que, ou abraçam o modernismo nascente ou marcam um posicionamento tradicionalista. Florbela, mulher, lança mão dos desejos mais profundos para servir de tema para sua forma. Dotada de uma lassidão inaudita em sua época, mesmo na boca dos homens, Florbela transforma-se em uma personagem de contos de fadas clássico, mostrando-se fantástica, mágica e sedutora. E ao se esmerar tanto pela forma quanto pelo conteúdo, cria obras de extrema força e visceralidade em certas fases para depois se contrabalançar em uma incrível leveza e doçura em outras.

Sua grande particularidade nasce de seu ser híbrido que se choca duplamente com sua época; por um lado sua temática vai contra os pudores, os recatos e a moral de sua sociedade onde era inimaginável que uma mulher pudesse ter desejos, pudesse ser ela a se apaixonar e até mesmo cortejar a pessoa amada. Do outro lado temos a corrente avassaladora do modernismo, com suas novas formas, novos engenhos e estratégias que Florbela vive em intenso convívio sem no entanto se afiliar. 

Florbela é uma artista sui generis em seu meio, não havendo nele qualquer outro talento que conciliasse tamanha transgressão temática com tamanho rigor e refino estilístico e formal. Atenta com a sonoridade de seus versos não deixa de cuidar dos detalhes que foram se perdendo com o modernismo. Não obstante o seu isolamento da vanguarda portuguesa tem como grandes apreciadores de sua obra poetas como Fernando Pessoa que lhe dedica um poema.

Em seu poema “Contos de Fadas” Florbela demonstra demosntra seu brilhantismo em uma declaração de amor única em forma, colocando-se num papel inesperado e transformando a si mesma numa personagem de sua obra usando de seu nome, de sua terra e de seus sonhos para declarar um amor por um alguém lhe é igual pois sofre dos mesmos males, deseja os mesmos desejos e é seu par dos contos de fadas.


“Eu trago-te nas mãos o esquecimento
Das horas más que tens vivido, Amor!
E para as tuas chagas o ungüento
Com que sarei a minha própria dor.”


Em sua primeira estrofe há uma identificação entre o amado e quem ama. Pois sofrem de dores que se curam com a mesma cura. Se fazendo o próprio poema, que sai das mãos da poetisa, como panaceia para os males que sofrem. São os seus versos o próprio remédio para o sofrimento, os próprios versos que operam como palavras de encantamento, encanto tão forte que transformam a própria poetisa em personagem de seu poema conforme podemos ver em sua segunda estrofe.


“Os meus gestos são ondas de Sorrento...
Trago no nome as letras de uma flor...
Foi dos meus olhos garços que um pintor
Tirou a luz para pintar o vento...”


Na mesma estrofe Florbela se faz personagem e se faz fada de seu próprio poema. E como consequência apaga a linha formal que separa a poeta de seu eu-lírico. Presentifica-se em seu verso onde diz que traz no nome as letras de uma for e se faz fada ao simbolizar o próprio vento com seus olhos garços, pois nas lendas européias são as fadas as portadoras dos elementos da natureza havendo fadas portadoras da essência de cada um dos elementos. E sob a aura de fada que traz a cura continua presentificando em sua próxima estrofe.


Dou-te o que tenho: o astro que dormita,
O manto dos crepúsculos da tarde,
O sol que é d'oiro, a onda que palpita.”


Nesse primeiro terceto o que há de mais belo e natural é ofertado pela fada ao seu amado. Para fazer parte da cura de seus males a fada com poderes mágicos trás de presente o astro adormecido e a placidez do manto crepuscular. Envolvendo-o com a riqueza do sol e a força do mar.

“Dou-te comigo o mundo que Deus fez!
- Eu sou Aquela de quem tens saudade,
A Princesa do conto: “Era uma vez...”

Florbela fecha o poema se tornando Princesa, Aquela da qual se tem prometida desde as primas estórias contadas ao leito de dormir. Ela se faz a mulher mais desejada e a mais sonhada. Uma mulher com direito a personificação indicada pelo “a” maiúsculo. Trata-se aqui de uma princesa em seu sentido pleno, idílico e perfeito e não somente uma princesa do mundo. É a própria personificação da realeza, a própria ideação da mulher que todo homem sonha.

A autora inicia seu soneto dando ao amado tudo que ele precisa e termina ofertando-lhe tudo que sonhara. O crescendo da narrativa em versos é claro e perceptível, em um retorno a poética clássica onde a poesia também tinha seu papel narrativo. Há uma estória sendo contada. Há personagens e há um misto com a realidade como se o poema pudesse operar uma fusão entre o mundo onírico e o profano real.

A poética de Florbela Espanca consegue conciliar elementos tão diversos e díspares em uma harmonia que é única. Torna-se um exemplo formidável do poder da Literatura como profissão do sublime. Florbela é personagem de sua própria obra e nesse processo torna o próprio leitor uno com sua obra, os símbolos, a linguagem a forma como conta sua estória torna seu poema parte de quem o lê.

Em um esmero só justificável por sua herança simbolista e parnasiana vemos Florbela compõe um soneto em versos que são ao mesmo tempo Heróicos e Sáficos. Os dois ritmos podem ser igualmente impressos ao poema e desde já permite duas leituras que se diferem de maneira sútil mas não menos importante. O verso sáfico é conhecido por suas propriedades melodiosas, por sua sedução e sua inigualável capacidade de falar dos sentimentos mais profundos, já o verso Heróico é conhecido por seu caráter épico, sua grandiosidade e força.  Ao fazer de seus versos Heróicos e Sáficos Florbela os torna cada um e todos juntos numa Epopéia a respeito do Amor.
Enviar um comentário