Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

terça-feira, 27 de novembro de 2012

O novo livro: Poeta Sobre Trilhos

Na foto: As 14 edições dos meus livretos (incluindo edição erótica)
 o primeiro livro: Sobre Máscaras e Espelhos,
o livreto do Fora de Área
do Zuza Zapata e do Josué Carlos
Com quinze crônicas e o conteúdo dos quinze livretos pretendo editar meu novo livro Poeta Sobre Trilhos: Diário de Bordo contará as minhas aventuras e desventuras dentro dos vagões do metrô e do trem nas cidades de Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Contará como é viver a dois anos de e para a poesia. Contará como são as diferentes reações dos leitores que variam de idade, estilo, classe social e profissão. 

Meu trabalho é diferente dos de muitos poetas de mão em mão pois levo meus versos justamente para onde não há a expectativa da poesia. Para onde o público não é visto como consumidor de versos. Nada de saraus da zona sul. Meus versos vão de Ipanema a Pavuna sendo recebidos igualmente por leitores ávidos onde menos se esperaria. 

Poeta Sobre Trilhos é o nome que ganhou meu livreto que é o carro chefe do projeto Despertando Leitores. Quero com eles mostrar pro maior número de pessoas que poesia não é aquela coisa chata que se lia na escola para fazer prova. Que poesia é um prazer, um deleite para se ter nos momentos de ócio ou espera. A viagem chata dentro do vagão pode se tornar um momento de prazer único, se tornar uma viagem diferente da habitual. 

Dentro do vagão lê meus versos o homem de terno e gravata e também o office boy. Lê a professora e também a dona de casa. Sem esquecer é claro do abulante que vende água mineral e coca cola ou da menina de  vestido colegial. Cada turno, manhã, tarde e noite é um público diferente. É gente que lê poesia com estranheza, dificuldade e desconfiança mas que muitas vezes acaba gostando e pedindo por mais.

Adoro ler no rosto dos passageiros a expressão que fazem ao ler verso a verso meu poema e com alguma atenção consigo até saber qual é que estão lendo naquele momento. Um sorriso, um rubor, um riso solto, um olhar ou suspiro. Dá pra ver naqueles rostos que estão imaginando meus poemas, criando em suas mentes cada personagem e eu lembro que a maioria está acostumada a receber tudo pronto da tevê. Ali é uma nova chance para darem asas a imaginação fazer delas seu tesão e prazer. E alguém que volta a imaginar é mais livre para pensar e questionar seu mundo, o que diz no jornal nacional e o que escuta no horário eleitoral.

Acredito que minha experiência contada nesse novo livro será importante para mostrar que é possível sim realizar seus sonhos, que é possível ser artista só contando consigo mesmo e seu talento. Que não é preciso se sujeitar a um trabalho que detesta ou que não acredita em seu futuro. Hoje me sinto fazendo a diferença com o que faço, desperto leitores e novos amantes de poesia todos os dias, vagão por vagão, sem pressa mas com muita alegria.

Procuro no momento interessados a contribuir com a realização desse segundo livro. Quero condensar numa obra esses dois anos e espalhá-la para além de onde eu possa estar para que incentive outros artistas a também espalharem a arte pelo pais. Pois é como Marcuse me ensinou durante as aulas de filosofia: "A poesia torna possível o que já se tornou impossível na prosa da realidade."
Enviar um comentário