Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

domingo, 20 de janeiro de 2013

Análise literária do soneto "Poeta do Hediondo" de Augusto dos Anjos


O poeta que se intitula Hediondo nos versos deste soneto descreve com riqueza de detalhes o que se passa em seu corpo.  É uma seqüência de detalhes que se assomam num estado de desespero que parece sugerir verso a verso um colapso do corpo, um ataque do coração, um desfalecimento e até mesmo o prenúncio dos seus momentos finais.

Os sons dentais das consoantes "d" e "t" auxiliam a sonoridade do poema a se apresentar como o tema de morte que finalmente surge ao fim do poema. Freqüentemente esses sons se encontram inclusive em posição de destaque sendo as sílabas tônicas de cada verso. Esses sons ecoam ao longo do poema prenunciando a temática fúnebre da morte.

Composto por versos heróicos o poeta demonstra uma capacidade única de domar o ritmo dos polissílabos. Feito raro na nossa poesia tão afeita a tijolos pequenos, o poeta aqui constrói não com azulejos o seu mosaico de versos e sim um castelo de sólidos e pesados componentes. A escolha dessas palavras faz parte do objetivo frio e certo do poeta, de uma poesia de ângulos agudos, de palavras diretas, onde muitos poetas floreiam e rodeiam o poeta em questão é direto, objetivo, científico.  A agudeza de seus versos, o tamanho das palavras que escolhe e a maestria que consegue adequar tudo isso ao metro canônico é um feito hercúleo de raríssimas similitudes na língua portuguesa.

É impressionante a conjugação de concreto e metafórico que o poeta alcança ao tratar de descrever sensações tão viscerais, é impossível não senti-las de imediato ao ler o poema, impossível não sentir em seu peito como seriam essas aceleradíssimas pancadas que abrem o soneto.  Os termos complexos nos fazem sentir entre a mesa de cirurgia e a de autópsia. Um clima de agonia e conflito que não se resolve e apenas cria mais e mais tensão.

Na primeira estrofe temos um Algo que desperta o sujeito poético Algo que dispara as pancadas do coração por ameaçar sua própria vida tratada aqui como existência em seu sentido mais orgânico. A mortificadora coalescência pode ser vista como a própria morte quando o organismo cessa seus processos fisio-químicos que mantém o corpo em funcionamento, é quando todos os elementos do corpo passam a se movimentar para se tornar um só, voltar para a decomposição final uma única unidade de matéria.

E tal processo de morte descrito é causado por algo além do mero infortúnio, é a soma das desgraças humanas, mas não se trata de uma mera soma, é um somatório com fim, objetivo e função. A congregação das desgraças humanas é uma visão de que esses males atuam num processo escatológico, um processo destinado. Há um vaticínio, uma má sorte guiando essas desgraças a fim de resultar no fim do Poeta do Hediondo.

Na segunda estrofe, em seu primeiro verso, é retomada a idéia do coração que bate forte e intenso, são cavalgadas em seu peito que os desnorteiam, que o fazem alucinar. E justamente nesse delírio de agonia surge na mente uma consciência. Uma culpa de um misticismo cientificista que atribui as suas neuronas despertas pela agonia a capacidade de antever seu futuro.

Pela medicina de sua época uma Sonda em seu cérebro é decerto que post-mortem ou por si mesmo uma forma de morte. Com os versos que o antecedem compreende-se que é uma clarividência uma visão de seu futuro à mesa de autópsia. Tendo, inclusive um diagnóstico, um vaticínio sendo a sua causa mortis a mais hedionda generalização do Desconforto. Notando-se aqui um ponto importantíssimo no uso de maiúscula para gravar o desconforto, há uma entificação desse sentimento. Ele é tornado um personagem dessa história maldita. Algo que acompanhou a tanto o poeta que se torna por si algo além de um mero sentimento mas também um Ente de sua narrativa e quem sabe até seu verdadeiro Algoz.

A última estrofe do poema soa depois de sua agonia, morte e autópsia como se estivesse escrita na lápide do poeta. Uma lápide daquele que rejeitou ou não teve como ter para si o consolo do lirismo doce de seus predecessores, que não acreditou no descanso do Parnaso e nem conseguiu fugir para o mundo Onírico do Simbolismo. É uma estrofe que descreve bem seu poema, marcado pela tangibilidade absoluta da carne,

Não se trata aqui da mera pedra do caminho tão cantada por poetas portugueses e brasileiros.  Mas dos ossos, reais e inegáveis. Não há nesses versos de augusta qualidade a possibilidade de imediata abstração, são sim os ossos é sim, a inexorabilidade da morte que está presente. É uma poesia de um vivo que antevê sua morte, que a sente em cada parte de seu corpo. Que canta para ela em Desconforto em uma agonia que se presentifica verso a verso e que nessa última estrofe tenta escapar pelo seu reconhecimento.

O POETA DO HEDIONDO

Sofro acelerassimas pancadas
No coração. Ataca-me a exisncia
A mortificadora coalesncia
Das desgraças humanas congregadas!

Em alucinarias cavalgadas,
Eu sinto, então, sondando-me a consciência
A ultra-inquisitorial clarividência
De todas as neuronas acordadas!

Quanto me dói no rebro esta sonda!
Ah! Certamente eu sou a mais hedionda
Generalização do Desconforto...

Eu sou aquele que ficou sozinho
Cantando sobre os ossos do caminho
A poesia de tudo quanto é morto!

(Augusto dos Anjos -  EU E OUTRAS POESIAS)
Enviar um comentário