Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

sábado, 21 de maio de 2022

Cecília,

Peço desculpas por falhar e não conseguir controlar meu impulso de falar contigo, de lhe procurar. Eu sinto brutalmente sua falta, todos os dias acordo e vou dormir pensando em ti.  Isso me angustia, me faz não dar conta de mim mesmo. Todo dia que consigo não falar, não lhe procurar, não buscar saber de você é uma vitória, uma batalha imensa que faço contra mim mesmo. É extremamente doloroso, extremamente cansativo. E nada vem como recompensa disso, só mais sentimento de falta, mais ausência. Mais um livro que leio e os protagonistas me lembram da gente, mais um filme que vejo e idem, mais uma história que ouço, mais um acontecimento político que vejo e gostaria de poder contar para você. É todo dia uma coisa nova, uma ideia nova que queria compartilhar e vou guardando tudo na minha memória da mesma maneira que não consigo jogar fora seu vestido que veio numa das caixas da mudança do Rio.  É absurdo como tanto tempo passa e eu continuo, continuo sem conseguir lhe esquecer, escrevendo poemas para tentar expurgar da minha cabeça esses pensamentos, rondós, sonetilhos, trioles, baladas, sonetos, trovas e quadras. Cada dia uma forma nova para dizer desse sentimento antigo. Desculpe por não ser forte, por não conseguir evitar sempre de lhe procurar pois se erro um dia é porque venci essa vontade todos os outros. Pois você está comigo o tempo todo e a palavra saudade é pouca pra descrever tudo que sinto. Desculpe por eu ser quem sou. 

quarta-feira, 18 de maio de 2022

Frente Fria

Pois quantas ruas morreram
nesta madrugada fria?
e quantos olhos cansados
perderam seu último brilho?

Já você quente no lar
quantos cobertores negou
com seu voto de indiferença?
com seu olhar pro outro lado?

Quantas vidas a paixão
(ou o ódio) assassinaram
nesta madrugada fria?
Você consegue contar?

Você consegue contar
com seu conforto e paz
de quarto, cama e tevê
mas não é sobre você

Você consegue contar
nesta madrugada fria
os quantos olhos cansados
perderam o último brilho?

segunda-feira, 2 de maio de 2022

domingo, 10 de abril de 2022

Acaso calculado

Poeta tratante
é certo: poema
feito de rompante
tem uns mil rascunhos

quinta-feira, 3 de março de 2022

Cuco quem?

Em meu ninho ela repousa
a doce cuco canora
saliva a saliva da outra
e lambe minhas bolas

terça-feira, 22 de fevereiro de 2022

Beijos pra poesia

Estava eu voltando, de ônibus, da Lapa para casa de madrugada, no Rio de janeiro, Vi uma moça chorando sentada no fundo do ônibus. Tímido, eu não teria coragem de falar com ela. Mas isso não me impediu de tentar fazer algo. Saquei um dos meus livretos de poesia (ainda eram xerocados na época) e entreguei para ela. De início ela recusou dizendo que não tinha dinheiro. Eu lhe disse que era um presente e fui me sentar lá na frente perto do trocador, não pude nem ver se ela realmente estava lendo meus versos. Chegou meu destino, dei o sinal e desci. Quando o ônibus arrancou e passou por mim, ela abriu a janela e me lançou um bilhete lotado de beijos dizendo "a arte ainda vai salvar o mundo!!!" 

Duda, Por onde andará você?

domingo, 20 de fevereiro de 2022

haicai

Noite japonesa
tem sushi,sakê e shibari,
comcorda princesa?

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2022

quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Sujeito Erroso

A cada momento
e por todo instante
eu lamento e tento
seguir adiante
contando meu aperro
calando meu berro

No fio infiel
do meu sacramento
nas juras de níquel
de arrependimento
pois sou eu amante
duma dama errante

Nem no nunca mais
sou inverossímil
sem risos ou ais
uma lenda ao léu
nem tocam os ventos
de mil e oitocentos

O meu calafrio
é nunca ter cais
mas tenho o delírio
de dominicais
manhãs de mel 
pipa e carretel

Serei só miragem
na curva do rio
sou terceira margem
um nem-ser-se-viu
d'olhos lacrimais
sem nada demais

sem mirada verde
sem pele alva e virgem
sem cama ou rede
um velho em vertigem
que sempre ouviu
ene, a, o, til

de tudo e todos
pois a mim sucede
sortidos engodos
que quase me fede
desde minha origem
com ferro e fuligem

Mas jamais que enterro
meu sonho no lodo
tal quem não é bezerro
muito menos touro
pois eu sou quem ferve
o inferno e lhe bebe

E nada garante
que esse meu desterro
não é sem sextante
sem bússola só erro
exílio sem êxodo
soldado sem soldo 

Insônia

A lua no espelho da penteadeira
a milhares de milhas enxerga
(e talvez se veja orgulhosa de si,
mas ela nunca, nunca se alegra)
além ou longe de se deitar, ou
talvez daquelas que dormem de dia.

Se seu Universo virasse vazio,
ela o mandaria ao inferno,
e acharia um olho d'água,
ou um espelho, para morar
teceria pra si seu casulo
e cairia em sua gruta

nesse mundo ao avesso
onde esquerda é direita,
onde sombra é corpo,
onde não nos deitamos à noite,
onde o céu é raso como o mar
é profundo, e você me ama.

Tradução do poema Insomnia de Elizabeth Bishop

terça-feira, 18 de janeiro de 2022

Shaninha

Shaninha, serviçal da senhorita Lula, jaz em cálcio
preta, de branco, ela desceu
abaixo da superfície do recife de coral.
Sua vida dispensou
cuidando da senhorita Lula, por sua surdez,
Na cozinha comiam seu jantar, ela na pia 
enquanto Senhorita Lula comia na mesa.
As nuvens foram de branco para o funeral
e os rostos de negro

Esta noite o brilho da lua alivia
o derreter das rosadas rosas de cera 
plantadas em latas de areia
perfiladas para a perda da Senhorita Lula;
mas quem gritará e a fará ouvir?
Na procura por terra e mar de outra pessoa
o farol vai descobrir onde Shaninha jaz
para apenas ignorá-la; o mar, revolto,
lhe ofertando onda após onda.


Tradução do poema Cootchie de Elizabeth Bishop




quarta-feira, 5 de janeiro de 2022

Na ponta dos dedos

Todo, todo dia cê fuma
às quatro e vinte da tarde
E em mim a larica apruma
pra ver-te de quatro e me arde
como brasa essa vontade:
sê a fumaça que te invade

quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

Invisível cotidiano

Eu na papelaria e aviamentos imprimindo umas pílulas de poesia, eis que chega uma senhora e pergunta para a atendente:
-Moça você tem feixo éclair invisível?
A atendente de pronto responde:
-Pera ai que eu vou ver se tem.
Fico olhando para aquela situação impossível e me pergunto filosoficamente como ela vai VER se tem se ele é INVISÍVEL?

Sonetilho para Cecília

Meu desejo, paz e leito
é assim sóror Cecília
sonho largo corpo estreito
minha maior redondilha

É meu chão e também ilha
Onde me aporto perfeito
É loba e minha matilha
que banqueteia meu peito

Por onde corre, tropeço
pois conhece meu segredo
o meu erro e redenção

Verso cujo metro meço
na lembrança do degredo
rima, ritmo coração

terça-feira, 14 de dezembro de 2021

Vendaval

Não respira
só me beija
pra quê fôlego
se há saliva?

quinta-feira, 18 de novembro de 2021

Cuando grita

Moça sábia bem artista
tem no rosto delicado
seu trunfo que até despista
o sujeito mais errado
que não sabe que seu beijo
é atacado no varejo

Ela faz fila, faz lista
dos amor arrebatado
mas escolheu um vigarista 
pra ter seu cu arrombado
moço de trato e traquejo
que faz dela seu gracejo

Ele guia e ela quica
requebrando seu quadrado
sofre e goza pela pica
no seu rabo agasalhado
enquanto pinga desejo
seu xibiu farto e sobejo

Porque seu cu quando grita 
não pensa nem tem cuidado
é fome que dá e repica
de esfolar no seu safado
sufoca a fronha num beijo
e o pau no cu é gorgolejo

Só o mais corajoso fica
e mete o dedo sem medo
ele sabe onde se arrisca
porque cu não é brinquedo
é preciso ter molejo
pra cair no saculejo

sexta-feira, 12 de novembro de 2021

Missiva

Ergam seus copos e corpos!
Boa noite meus queridos
e minhas queridas poetas
Da minha rima macia
vem o desejo vadio
que escorre na redondilha
e pela mão eu lhes guio

Ergam seus copos e corpos!
Deixo pra todos ouvidos,
que vai começar a festa:
Cães ladram e gato mia
Eu procuro companhia
que aceite meu desafio
de trepar em verso e cio!

Ergam seus copos e corpos!
Não haverá arrependidos,
mamando juntos nas tetas
das musas gregas, Sofia,
Safo, Ágape e outro trio
que nossa teogonia
criar por deleite e ócio!

terça-feira, 9 de novembro de 2021

Com quantos castelos se faz um monte?

A prima Cecília
só dormia sonhando
beata o barroco
das ruelas dos livros
que o primo vendia
nos vagões do trem
queria ela o embalo
daqueles trilhos
queria ele a paz
daqueles olhos
e nenhum dos dois
tinha de verdade
tão perto, tão próximos
mas sem saber que eram
espelhos um do outro.

sábado, 6 de novembro de 2021

incorrigível

O amor está no (b)ar!

Confidências


Eu nunca vivi em Itabira
Principalmente nunca fui em Itabira
Talvez por isso não seja de ferro
Noventa por cento de sangue nas calçadas
Oitenta por cento de sangue nas armas
E essa alienação das vidas que são negras e pobres

A falta de vontade de amar quem não é igual
vem de mim que sou branco, que sou homem, de belo horizonte

E o hábito da indiferença, que julga 
é amarga herança mineira

Das minas gerais, prendas diversas te ofereço
esta pedra de nióbio, futuro minério do Brasil
esta cloroquina do braço forte do exército
esta vacina de mão amiga e contrato superfaturado 
esta rachadinha, esta notícia falsa

tive fome zero, tive a sexta economia, fui poeta
hoje me tranco em casa
Itabira não é apenas um vídeo nas redes
Mas como dói!

#paracegover: Vídeo de Segurança - Itabira 05/11/2021, Sexta-Feira 18:46 - Mulher Negra, magra de estatura baixa está na calçada de rua movimentada, carrega criança no colo, está de mãos dada com outra criança de 6 anos é abordada violentamente por dois policiais que afastam a segunda criança. A criança afastada grita, tenta proteger a mãe completamente impotente, Os policias derrubam no chão a mãe ainda com a criança no colo, ajoelham em seu pescoço e a imobilizam. 

segunda-feira, 1 de novembro de 2021

Canto do Labirinto

Quanta fantasia
dos seus sussuros
guarda em ti, Cecília
quantos os delírios
ditos nos ouvidos
tais doces pecados
guarda em ti, Cecília
Hoje, no meu sonho,
curto entrecortado
sou eu quem delira

sexta-feira, 29 de outubro de 2021

4lg0r1t1m0

Eu tenho uma enorme, 
GIGANTESCA, R4iv4 
de ter que censur4r 
as palavras para que 
o 4lg0r1t1m0 não me p3rsiga. 

Me sinto numa época 
completamente vigiad4 puritan4. 
É sufoc4nt3! É dit4dvr4. 
É infantil ter que censur4r pal4vrão, 
od3io ter que ler cool.

Eu quero a beleza 
do c e do u juntinhos.

segunda-feira, 25 de outubro de 2021

Trova T

Tortura tua timidez 
todo tato torturado
tem telúrica tristeza
traceja treme termina 

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Em resumo (prolixo) quem sou eu?

Eu posso dizer que tenho uma imensa sorte, com 4 anos tem foto minha num piquete com minha avó protestando contra a interrupção das obras no vale do jequitinhonha. Mais tarde um pouco lá estava eu acompanhando meu pai na greve dos Bancários em BH. 

Já cortei dedo em estilete fazendo molde em radiografia pra silkar bandeiras, cartazes e camisas pra campanha no interior quando minha vó saiu candidata a prefeita numa chapa de mulheres quando a cidade dela ainda era distrito e ela teve a cara de pau de concorrer a prefeitura da cidade maior. Perdemos, também fizemos campanha pro Lula desde sempre e meu primeiro voto aos 16 foi no Lula em 2002. 

Cresci tomando guaraná no bar enquanto meu pai conversava com meu tio e com o garçom que já tinha sido do MST e era daqueles que tinha decorado o manifesto comunista. O garçom também sabia de cor todas as letras de Raul Seixas e apostava comigo quem sabia mais e ora eu tinha que cantar um trecho e ele falava o nome da música e noutra falava a música e eu tinha que mandar um trecho.

Acho que esse foi meu primeiro contato com a poesia misturado com política mas nem sempre política diretamente, ele me mostrou como as letras aparentemente inocentes podiam ter os conteúdos mais politizados mesmo falando de amor.

Um pouco antes de votar pela primeira vez com os mesmos  16 escrevia meus versos e brigava na escola defendendo o Lula e o PT. Levei a bandeira vermelha e fui parar na diretoria. Se meu pai não falasse comigo pra guardar a bandeira estava preparado pra ser expulso pois por mim eu não guardaria. 

Como era de se esperar não fiz muitos amigos na escola e também estudei em várias. Não tendo mais que um colega com quem conversava mais frequentemente dentro de toda a sala. Nunca socializei em eventos héteros, apesar de ser. E também ser o único entre meus amigos que fiz fora da escola, na liberdade da praça da liberdade em Belo Horizonte. O único menino que se interessava por meninas de toda a turma era eu, mas não era nada demais, as meninas também só se interessavam por meninas e assim eu ia levando num grupo onde eu me sentia bem acolhido e feliz. 

Minha poesia tinha política mas a vocação de ser subversivo era mais arraigada em mim. E por ironias mil nas aulas de literatura a professora exaltava o modernismo e a semana de 22.  Na minha cabeça só martelava a questão do que diabos era a métrica que eles estavam se libertando. O que se contrapunha ao verso livre que a autoridade da sala de aula tanto exaltava foi o que me chamou a atenção. 

Da mesma forma que fuçava no computador pra formatar o windows e instalar os jogos que só rodavam no meu PC herdado do escritório na base gambiarra eu fui atrás do outro lado da história, conhecer os tais malditos parnasianos cujos versos estéreis o modernismo parecia querer queimar.

Acabei encontrando ali uma trincheira, minha própria ditadura pela qual lutar, a do verso livre. Porque só se podia  escrever dessa maneira, porquê não havia espaço pros sonetos de Florbela ou do meu primeiro poeta Augusto dos Anjos. Foi por rebeldia que resolvi fazer sonetos. Quanta ironia.  E eu tomei gosto pela forma fixa com conteúdo subversivo.

E na mesma toada de conhecer as regras para poder quebra-las fui tortamente fazer Direito em Ouro Preto mas fui traído pela sedutora filosofia e por mais que me desse bem entre códigos e comentadores fui lá prestar outro vestibular pra Filosofia.  E decerto que foi aí minha alcova. 

Mas antes disso conheci o CA de Direito, fiz meus próprios piquetes contra a reitoria, até me estafar da luta estudantil ao mesmo tempo que eu me desiludia com o governo Lula. Tudo que eu achava que entendia era pouco ainda. Votava no PSTU como protesto sem saber exatamente qual o pretesto que eu estava apoiando no momento.

A filosofia era muito mais desafiante, instigantes e dificílima para minha pouca concentração. E lá fui eu pra biblioteca da UFMG pesquisar sobre mim mesmo e meio por acaso e a esmo encontrei sobre o que era o déficit de atenção. Que eu prefiro dizer que atenção eu tenho muita, só não controlo ela. Minha mente vai e vem pra onde ela quer. Se interessa quando lhe convém. 

Na UFMG o movimento estudantil me tinha como apoiador, era um calouro não calouro. Que se achava experiente e maduro demais. Mas já não fazia mais sentido gritar contra ALCA e FMI. Nem as propostas de reuni me pareciam tão erradas assim. O curso de medicina não aumentava suas vagas desde a época que meu tio mais velho se formou há meio século.

Voltando a descoberta do TDAH, descoberto esse conjunto de explicações eu fiz testes, fiz enquetes, usei meus amigos de grupo controle e cheguei numa consulta com um neurologista com uma farta documentação, quase que um laudo pronto na mão.  Era a melhor explicação pras minhas inquietudes, minha constante vontade de contraposição. A Rita não me levou o sorriso, aliás graças a ritalina consegui ganhar um pouco de controle da minha vida.  

Mas não deixei de flertar com o desafio, com as intensidades, foi uma doce calamidade conhecer o bdsm, o universo fetichista.  Explorar novas transgressões, sentir novos tesões e provocar tensões com novos temas pros meus versos que já não se prendiam aos decassilabos. Eu inocente e arrogante fui logo me meter a fazer decassilabos, heróicos, sáficos... O martelo agalopado venceu minha arrogância pois na época não consegui jamais fazer um.  Meus versos perversos foram pras singelas redondilhas, muitíssimo macias aos ouvidos.

Eu simplesmente amava (e ainda amo) adocicar os ouvidos do leitor com versos confortáveis para que a temática mais suja ou revolucionária lhe pegue no contrapé. Foram bons tempos na filosofia mas minha eterna insatisfação levou meu tesão pra longe da sala de aula. E graças ao ENEM fui atrás da poesia em terras cariocas.

Letras na UFRJ era minha desculpa, eu só queria sair das montanhas de minas mudar de horizontes pois os de BH já não me pareciam tão belos.  Levei uma poupança miúda, um colchonete e uns livretos de poesia. Sim, livretos moro no Brasil, falo português e jamais fiz um zine sequer.

Nos bares de BH eu sentava pedia uma cerveja tomava o primeiro copo, levantava e distribuía pelas mesas ao redor minha poesia. Muito tímido deixava que as pessoas mesmo lessem meus versos em paz, eu não ficava por detrás fiscalizando. Distribuía nas mesas e voltava pra minha cerveja. Depois de finda a primeira cerveja passava de mesa em mesa recolhendo os livretos desprezados, conversando com os leitores mais animados e recolhendo os trocados  dos que tinham apreciado os meus versos. Não era muita grana, pagava a conta do bar, o tiragosto e as vezes sobrava um pouco. 

No Rio conheci a bela Balbúrdia chamada Supervia, o sistema de trens urbanos carioca que era um verdadeiro shopping sobre trilhos onde de tudo comprava e também vendia.  Adaptei meu esquema do bar para o vagão e me surpreendi com o resultado. Se antes eu fazia vinte livretos para levar pro bar e sabia que ia sobrar, agora se eu levasse menos de cem ficava com medo de acabar.

Eu nem acreditava que minha professora estava errada, que ainda havia espaço pra poesia com forma e rima.  E a poesia se tornou meu ganha-pão. Vivia, bebia, vestida, comia e morava graças a ela, de vagão em vagão que eu vagava levando meus versos e comecei a me sentir seguro de me chamar de Poeta. Lancei meus dois livros em 2012 e depois 14.   Ambos com o apoio exclusivo dos meus leitores e amigos. O primeiro através da lei Rouanet de pessoas físicas que não sabiam que podiam doar e abater 100% do valor no IR. E segundo exclusivamente com dinheiro dos vagões.

Lancei ambos com o apoio de uma empresa com quem namoro desde que cheguei ao Rio, a Poeme-se.  Foi nos estandes dela que fiz o lançamento de ambos.  Contando com a presença de quem me conhecia e sabia desse projeto de poesia sobre trilhos. Mas Como o bicho de estimação ( meu querido TDAh) que carrego comigo não me deixa parado durante esses anos criei minha anti editora, a Prensa Mínima e publicava a preço de custo livretos de novos poetas que queriam se aventurar no universo literário. Foram mais de 20 nomes lançados.  Poesia sobre trilhos saiu pelas minhas mãos em 30 edições comuns, 1 infantil e outra erótica totalizando 60 mil livretos postos em circulação só por mim.

Com o tempo descobri outros nomes contemporâneos afeitos a métrica como o genial Glauco Mattoso que por coincidência também publicava seus poemas independentes ainda na época da máquina de escrever, fazendo incríveis poemas concretos  antes de se tornar cego quando então se voltou aos sonetos. Somos tão semelhantes mas também simetricamente opostos!  No amor pelo fetiche, pelo verso em suas formas. Mas ele gay, podolatra e masoquista.  Vamos dizer que ele é meu grande mestre vivo. Um poeta sem igual. 

Depois de tanto tempo de namoro aceitei o desafio e entrei pra Poeme-se onde hoje sou o curador das estampas, trabalhando em sua concepção, pesquisando e encontrando novas maneiras de colocar a poesia em Movimento.

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

Haicai de Orvalho

a língua em curva
lambe e lateja seu sexo
molhado de chuva

quarta-feira, 29 de setembro de 2021

Balada para um espelho

Ipê florido do meu cerrado
vaidosa cor roxa que atrai
o olhar cobiçoso e cobiçado
sendo seu filho, irmão e pai
É você espelho casto de mim
que do meu fogo compartilha
balada desse bandolim
meu amor meu, minha Cecília

Em cada toque dos meus dedos
em nota, num suspiro, num ai
rezando por todos os credos
pecados que nos tanto atrai
A fome que une nosso fim
nosso parnaso, nossa idília 
nossos nãos feito nosso sim
meu amor meu, minha Cecília

Por tanto tempo os Segredos
guardamos como alguém que cai
numa armadilha de brinquedo
agora diz, como a gente sai?
Sacros segredos em latim
com medos na coleira e guia
ganindo no nosso festim
meu amor meu, minha Cecília

Ouro manchado de carmim
somos nós Dirceu e Marília
na poesia entre seus rins
meu amor meu, minha Cecília

espelho

É você espelho casto de mim
que do meu fogo compartilha
na balada dum bandolim
meu amor meu, minha Cecília

Em cada toque dos meus dedos
uma nota, um suspiro, um ai
rezando por todos os credos
e pecados que tanto atrai

a fome que une nosso fim
nosso parnaso, nossa idília 
nossos nãos e no nosso sim
somos nós Dirceu e Marília

Por tanto tempo os Segredos
guardamos como alguém que cai
numa armadilha de brinquedo
agora diz, como a gente sai?

Caminhos

Entre a stairway to heaven 
e a highway to hell
Prefiro apanhar 
um táxi lunar

domingo, 19 de setembro de 2021

Triolé para Cecília

Penso em ti Cecília, Cecília
em cada sonho ou vigília
em cada suspiro ou transpiro
Penso em ti Cecília, Cecília
entre nossos mares de morros
entre pecados e capelas
Penso em ti Cecília, Cecília
em cada sonho ou vigília 

sábado, 28 de agosto de 2021

Em lá maior

Ligo o rádio e só toca
sempre o velho do re mi
mas meu coração coloca
meus ouvidos só pra ti
eufônica de tão bela
minha menina Mirela