Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Eu odeio loja de roupa

Lucas C. Lisboa

Quando tinha por volta dos meus dez anos , já morava aqui no Santo Agostinho e minha mãe me levava para brincar no campo do atlético pois era aberto ao público e ao lado da minha casa. Porém , numa determinada manhã que íamos para lá qualan não foi nossa surpresa ao descobrirmos que o campo tinha sido vendido e que lá iria seriA construido um shopping? Sim, lá seria construído o Diamod Mall.

Nos tempos que se passaram eu realmente fiquei empolgado com essa história, afinal num shopping teria fliperama, cinema, Mac Donalds, fliperama e quem sabe até uns circos e parques que nem tinha no Del Rey, Minas e no BH! Dois anos depois de fechado e muito barulho na vizinhança não é que o Diamond fica pronto , mas para minha profunda decepção não é um shopping só de roupas? Sim! milhares de lojas vendendo roupas que não eram de meu interesse, roupas chiques, feias, para adultos! Nada de Fliperamas, só o Hotzone caro para caralho! E muita, muita loja de roupa! E nisso começou a nascer minha antipatia pela lojas de roupa.

O Diamond virou assim um shopping que eu ia só para tirar dinheiro e almoçar no domingo quando não tinha nada de comer lá em casa. Passou um tempo e ,não contentes em ter um shopping só para elas as lojas de roupas ,começaram a comprar e reformar as casas ao redor do Diamond, uma loja de noivas ali, uma outra de vestidos de festas por aqui e foi assim até que compraram o Amarelinho!

Meu bar/restaurante favorito que ficava numa esquina A só um quarteirão da minha casa e servia até bem tarde e tinha garçons amigáveis. Era um dos meus lugares favoritos de passar para tomar uma, sentar com o pessoal e fazer aquela boquinha de madrugada. Mas as lojas de roupa O compraram ele e o transforam, num requinte de crueldade, em um anexo todo fechado da loja de roupa que era ao lado! Aquela esquina de toldo amarelo agora era toda um muro grande e branco, muito sem graça , diga-se de passagem.

Agora, tomando meu bar favorito, eu realmente comecei a não gostar dessas lojas de roupa! Mas meu ódio por elas só se consolidou essa semana. Estou passando uns tempos na casa de meus amigos e lá acabei assumindo o papel de dono-de-casa e como tal fui à feira porque eu adoro pizza, sanduíches e comidas prontas , mas meu estômago reclama depois do terceiro dia vivendo À base delas... A dois quarteirões de lá tinha um açougue e um sacolão a preços não muito bons, porém ,tão perto assim, não havia nada nem sequer parecido. Mas minhas surpresa foi grande demais ao passar pelo sacolão e ao procurar o açougue e descobrir que ele virou sabe o que? Sim! uma maldita loja de roupa!

Como diabos alguém transforma um açougue numa loja de roupa? Isso é muito descabido! Não faz o menor sentido! E são todas aquelas lojas de roupas chiques, sempre vazias , sem ninguém dentro! Algumas até com interfone para se entrar... Toda vez que eu vejo uma dessas não consigo deixar de pensar que se trata de uma loja de esposa entediada e bancada pelo marido para que ela não o perturbe muito. "Vai lá meu bem, toma esse cheque em branco e monta sua loja" não contentes em simplesmente comprar quilos e quilos de sapatos, bolsas e coisa e tal.

Agora essas senhoras estão invadindo Belo Horizonte com suas lojas que só ocupam espaço! Ficam lá dentro aquelas vendedoras arrumadinhas, sorridentes e completamente sem o que fazer , ou porque eu nunca vi uma viva alma dentro delas. Sim, eu tenho raiva, tenho ódio dessas lojas de roupas que me roubaram o campinho de futebol, tomaram o lugar do meu fliperama e agora até mesmo o açougue! Eu odeio loja de roupa.

3 comentários:

Erica disse...

Adorei Lucas!
Eu também bebia sempre tava no Amarelinho com Luci, boas noites e tardes já passaei por ali!
Quero o Amaralinho de volta!!

Laura Cohen disse...

HAHAHAHA MEU DEUS EU ME LEMBRO DISSO!!! Eu morava ali na olegário maciel, num prédio pequenininho em frente a pizzarella quando acabou aquele trem do galo (eu não ia lá, mas meu pai ia, acho que eu era muito pequenininha) e eles construiram um shopping todo barango! Hahahaha! Mas como uma mulherzinha, não odeio lojas de roupas assim, mas odeiooo toda e qualquer loja de shopping, aquele aquario sufocante e chatinho, mundo virtual. Para perder seu ódio, recomendo que você visite os três brechós da praca josé cavalini no luxemburgo. É nada menos do que inspirador passar horas olhando roupas que um dia foram de outras pessoas, roupas interessantíssimas às vezes vendidas por cinco, dez reais!!! E ter uma conversa com as vendedoras simpáticas, que sabem histórias de cada peca. Outro dia comprei um blazer azul que, segundo a dona da loja, fora de uma engenheira cheia de roupas diferentosas.

muito esclarecedor o comentário sobre a vernissage. Normalmente, vou em algumas delas quando tenho interesses pelas obras (curiosidade, na verdade!) ou sou amiga do artista. Acconteceu uma coisa super legal na última, uma exposicao de um professor meu: eu estava com umas flores no cabelo, e ele elogiou as flores, entao eu tirei uma delas e pus na lapela da camisa dele.

uff... comentário comprido. amei o blog com textos da Marina Colasanti. tá adicionado, visitarei!

O (EX) HOMEM SEM MEDO disse...

Palavra de afinidade:
contra as lojas de roupas: "Zzzzz...!"