Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Sem nomes na estrada

Lucas C. Lisboa

O sátiro ainda espiava o doce banhar da ninfa quando foi surpreendido pelos efeitos do excesso de vinho. Logo ele, tão habituado a esbórnias muito mais desregradas, bebera demais naquele dia ou havia algo de muito singular acontecendo ali.

E conforme o corpo da bela ninfa se erguia das águas tão calmas daquele olho d'água o sangue que corria pelas veias do sátiro, fumegante pelo álcool, lhe subia à cabeça. Nesse instante ela se assustou com o barulho da garrafa se partindo contra o tronco da árvore que se encontrava ao lado do sátiro.

Todo o corpo da ninfa se congelou quando o descobriu fitando-lhe com um agressivo olhar desejoso. Tentou correr mas as mãos dele, ávidas e belas, foram bem mais velozes do que sua mente, traída pelo seu corpo, poderia reagir ou negar-lhe.

As mãos fortes dele a tomaram com extrema e hábil avidez, toda a ebriedade dele propiciava os movimentos mais seguros e perfeitos para tomá-la para si. Porém num lapso de consciência ela se debateu tentando livrar-se daquelas mãos brutas daquele bruto ser que tentava apossar-se dela. E tal debater se tornou o motivo perfeito, não para soltá-la mas para instigá-lo ainda mais em sua fúria obstinada que crescia sem rédeas dentro dele.

Segurando-lhe pelos pulsos fez dos dedos dela dedos as primeiras vítimas mordendo-os como se avisasse por esse ato o prenúncio do que estaria por vir. E inesperadamente ela, ao sentir a primeira pontada de dor caiu-se num êxtase incomensurável e indescritível entregando-se assim àquela fúria satírica que a dominava inteiramente.

Com aquela em mãos deixou-se saciar todas as fomes e sedes naquele corpo que fez questão de desnudar inteiramente. Rasgadas as vestes se ocupou demoradamente naqueles lábios tenros e apetitosos, naqueles seios que sem dúvida foram moldados para o encaixe perfeito de suas mãos e naqueles cabelos que tão bem serviam para guia-la ao seu bel prazer.

Dentre aquelas coxas teve todos os prazeres que poderia ter o requinte e a devassidão de desejar e em seu dorso degustou, com seus dentes, aquelas carnes tão macias. Por toda a longa noite deixou suas marcas naquele corpo, alternando pelo seu vil deleite os momentos de prazer, descanso, dor e delírio.

Quando acordou e a viu ao seu lado ainda não se lembrava do que acontecera exatamente e muito menos sabia qual era o nome dela que jazia dormindo profundamente entre seus braços. As lembranças vieram aos poucos conforme velou por alguns instantes o seu sono.

Percebeu que ela vestia apenas uma de suas fitas vermelhas, em laço e ponta, ao redor de seu pescoço e também notou como todo o corpo dela estava profundamente adornado pelo que ele tinha certeza que se tratava das marcas de suas garras e dentes.

Sorrindo ele soube que ela acordaria não menos do que faminta. D'um cesto trouxera frutas em calda de chocolate, o vinho ele deixou de lado a noite já tinha tido vinho em demasia. Mas sem sombra de dúvida as frutas recobertas lhe fariam bem.

Tão diferente quanto a conhecera ele a acordou gentilmente com leves carícias em seu rosto e como bom dia lhe ofertou aquelas frutas. Os olhos da pequena brilharam faiscantes e sem muitos pudores abocanhou-as diretamente dos dedos dele. Não satisfeita porém não se deteve enquanto restava alguma calda espalhada naqueles dedos.

Se trocaram nomes foi mero acontecimento, não sabiam se novamente se veriam, não sabiam sequer o que de fato tinha acontecido. E o sátiro a levou para a trilha mais movimentada que poderia levá-la para casa uma vez que confusa ela só queria voltar ao lar e adormecer de verdade.
Enviar um comentário