Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Apoteose



Lucas C. Lisboa

Ele duma voz de sangue
bem negro de samba atiça
Ela num swingue sem voz
se mexe, samba e eriça

o sorriso branco do Negro
que reluz nos olhos claros
duma gringa que não ginga  
mas que no peito palpita desejo

só não sabe se quer sê-la
ou ser como o negro e tê-la 
se excita tanto a  branquela
quê não vê  chegar o Mulato

mais que sedento por ela
bruto mas de fino trato
que lhe faz dama e cadela
atrevido num mesmo ato
Enviar um comentário