Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

terça-feira, 16 de abril de 2013

de pulso


Inventamos o relógio
numa genialidade louca
para nos esquecer

de nossa estupidez
de nossa insensatez
de nossa pequenez

Olhamos pro relógio
pra não cairmos
no doce conforto

de criarmos deuses
de criarmos mitos
de criarmos sonhos

Pois ao olhar pro céu
em busca do tempo
nós nos damos conta

de quanto é infinito
de quanto é eterno
de quanto é absurdo

na parede como altar
o relógio dita a casa
como no pulso o homem

os precisos relógios
são nossas correntes
modernas e perfeitas

Que nos fizeram enfim
libertos dos deuses
mas escravos da máquina
Enviar um comentário