Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Taxista, motorista, passageiro e passagem de marcha.

Entre carros, caronas, ônibus, aplicativos e metrô tenho vivido as últimas semanas desde que a prefeitura do Rio resolveu transformar as ruas em uma espécie de campo minado deixando blocos de pedra do tamanho de barras de gelo industrial soltas pelas ruas sem pintura ou sinalização. Meu carro já era e apesar de ninguém ferido nunca mais o verei ficando apenas suas doces recordações.

Mas hoje voltei ao tempo anterior quando ia e vinha de ônibus dum estado pro outro, claro que agora estou melhor, pego um assento mais confortável mas continua sendo verdade que sempre que eu chego na rodoviária Novo Rio começa aquela perseguição dos taxistas e ajudantes oferecendo táxi. Antes eu só recusava e eles continuavam insistindo até dar no saco.  Descobri uma boa estratégia para reverter. Só pergunto vai ser no taxímetro e sem cobrar pela bagagem, somem na hora.

Do finado veículo  ficam guardadas as viagens maravilhosas, com lábios em meu falo enquanto eu dirigia apreciando a paisagem sem precisar mais trocar de marcha, carro automático tem dessas vantagens.  Poder dedilhar ou ter uma linda sereia de cabelos coloridos, uma linda de blackpower ou uma gordinha branquela me chupando enquanto eu dirijo meu carro pela estrada na pista da direita sem pressa de chegar é um prazer a lá Jack Kerouac que recomendo a todos a leitura.

Do transgressivo Na Estrada voltei a ser um pacato passageiro cobrando seus direitos na saída da Rodoviária e paro
na frente daquela galera de taxista que fica amontoado logo na saída literalmente lhe puxando pro carro deles e fiz a pergunta:

- Quem aqui me leva pra Tijuca no taxímetro? - Metade das mãos pararam de abanar pedindo minha atenção.

Quando eu tinha que passar marcha eu também era um sujeito mais romântico e namorava a distância, ela vinha fim de semana sim, fim de semana não com seu jeito de cigana e seus longos cabelos cacheados me esperar do lado de fora da rodoviária de Beagá. Era sempre as quatro da madrugada, chegava e estávamos famintos um pelo outro e não dava tempo de chegar em casa e ali nessa época desenvolvi meu apreço por fazer dela meu piano, tocando com meus dedos famintos entre seu clitóris, buceta e cu mas afinando o tom do gemido pelos mamilos que com gentil sadismo eu lhe apertava pelas ruas desertas do centro da minha cidade natal.

- Sem cobrar bagagem? - sumiram quase todas as mãos e falas agitadas

No caminho com minha mão direita ocupada lhe ensinei a passar marcha enquanto íamos vagarosamente pela rua Curitiba até chegarmos a Gonçalves Dias. Eram duas retas, uma cidade e um poeta que nos separavam da rodoviária a minha morada. Ela, minha namorada, entre seus delírios, rebolares e gritinhos quando meus dedos iam fundo em seu rabinho passava as marchas conforme eu ordenava. Primeira, segunda, ponto morto no sinal vermelho no cruzamento em asterisco típico dos belos horizontes. Mesmo um ônibus parado ao nosso lado não cessava meus dedos e ela fechava os olhos e só sentia ante a possibilidade de ser vista, flagrada se desmanchando ali.

- Seguindo a rota do meu GPS? - onde antes havia uma balbúrdia treinou o silêncio sepulcral com vários olhares contrariados. 

A garagem era bem apertada e ela tinha que descer antes de entrarmos com o carro.  Suas pernas sempre tremiam bastante e naquele frio ela ajeitava o vestido todo roto pelos meus dedos invasivos, as vezes ainda tinha de ajeitar uma calcinha e sutiã outras vezes não pois ou fora obediente e já viajou sem conforme eu tinha instruído ou foram pra longe dentro do carro mesmo. De retrovisores encolhidos, adentrava logo após ela passava pelo portão também se aninhando a si mesma pelo frio da madrugada. A cidade onde ela morava era bem mais quente que Beagá, não era um inferno como o Rio mas ainda assim muito quente.

Peguei minhas malas, dei boa noite e caminhei uns cem metros até o posto do lado da rodoviária não sem no caminho ser abordado por mais uns dois auxiliares de taxistas e uma proposta de viajar num carro comum.

Nós sabíamos até em casa nos devorando passo a passo, chegavamos ao quarto e não dava tempo de subir ao mesanino, calça, camisa e vestido estavam no chão e no meio do quarto meu tesão lhe pegava pelo vão de suas pernas que escorriam molhadas. Certas vezes ia certeiro em sua buceta e a fodia ali em pé segurando-lhe as mãos nas minhas noutras vezes a sua lubrificação era tal que seu bumbum redondinho engolia tudo de uma vez e eu lhe abraçava forte e a empalava sem dó chegando a abrir sua braços no ar formando o belo crucifixo antes de gozar.

Depois de dispensar os tantos profissionais  liguei o aplicativo. Em menos de um minuto estava embarcado indo pra casa. Chegando seguro e sem ser extorquido por ninguém no processo.

Não sei quando a burocracia do seguro vai liberar a indenização ou o carro reserva mas por enquanto fico na memória das boas  fodas. Inclusive Duma em especial que ficou grande demais para contar mas que fica para uma próxima crônica que é sobre o dia que meu trepo atrapalhou o trampo e a labuta das putas.

Enviar um comentário