Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

terça-feira, 3 de novembro de 2009

O Pianista e a mão de Bronze

Lucas C. Lisboa

Depois de mais uma exibição do Pianista que agora era somente o melhor Esgrimista Real. Ela foi tomada pela ambição de resgatar aquela mão que era bela demais para estar tão mal cuidada. Seu ourives favorito que lhe construía os objetos mais estranhos foi incumbido de fazer uma substituta para a troca.

O Ourives escolheu o cobre, por sua maleabilidade, para servir de carcaça e pequenos diamantes para substituir a proteção quitinosa das unhas humanas. Depois de meses trabalhando nos detalhes aquela mão de cobre era plenamente eficiente e refinada para os movimentos e toques mais precisos e delicados.

Ela sabia que orgulhosamente o Pianista sempre rejeitaria tal troca insana, por mais que ela prometesse que ele poderia então confiar novamente numa mão direita. Sabia que o ego dele não permitiria tal troca de bom grado. Ela então foi atrás de quem poderia fazê-lo.

Foi em uma noite que do estrangeiro chegou, um ladino de talentos e lendas assustadoras, que já roubara o brilho dos olhos de uma princesa e também ganhara, numa aposta contra a morte, um manto que lhe mantinha invisível frente aos olhos de todos aqueles que enxergam. e foi na mesma madrugada que o ladino, pelo preço de uma sonata composta exclusivamente para sua glória, adentrou nos aposentos do Esgrimista dentro da área mais nobre do Palácio Real.

O Pianista estava deitado confortavelmente em sua cama mantinha mas o seu braço direito se pendia para fora da cama pois aquela vil mão direita não tinha o direito de dividir com ele do conforto dos lençóis de linho. Com o artifício de certos emplastros e poções, que trazia consigo dos Alquimistas de turbantes, o Ladino conseguiu facilmente roubar aquela valiosa mão direita e substituí-la pela belíssima arte do Ourives escondida igualmente pela luva de couro.

Foi na mesma noite que a Compositora recebera em sua casa mais uma para a sua coleção, era um exemplar de rara perfeição, porém desgastada por tantos maltratos. Ela lhe poliu as unhas, sarou as queimaduras, curou cada chaga e cicatriz malfadada para só então embebê-la em rum e especiarias para que jamais perdesse sua beleza e forma tão caras e perfeitas a ela.

Demorou muito tempo para que o Pianista percebesse a troca, ele jamais sequer tirava a luva sob a qual escondia sua indigna mão. Foi num dia em que esquecendo-se dela o alto do corrimão rasgou-lhe a luva. Também só parou para olhar pois ficara preso na escadaria e não sentindo dor contemplou o brilho do cobre e dos diamantes que se passavam por entre o rasgo.

Olhou espantado para essa nova mão direita, notou que seus movimentos não eram os mesmos que tinham depois do seu erro. Eram precisos, graciosos perfeitos e a harmoniosos. Estava numa manhã onde tudo que tinha eram as aulas para o príncipe mais novo do Rei. E isso agora iria esperar, correu ao piano da sala de estudos e começou a tocar.
Enviar um comentário