Publicação em destaque

Poeta e apenas poeta

Já me olharam espantados quando digo que sou poeta e só poeta. Que não canto, nem danço, nem atuo, nem pinto, nem bordo, que "só" ...

sábado, 9 de agosto de 2008

Vaidosa

Lucas C. Lisboa

A princesa queria ter o mais belo corselete. Todo vermelho com os seus detalhes todos negros. Daqueles à mão bordados, dos feitos com mil cuidados pelos os dedos mais ágeis e precisos de artesã. Mas sem dúvida era ela a melhor de todo o reino, talvez até mesmo de todo o grande continente.

Ela não sabia, porém que material usaria para tamanho feitio que tanto desejava. Se importadas seriam as sedas das terras que, de tão longínquas, falavam como se sempre cantassem...

Pois sonhara com seu brilho, sua tanta maciez tão fria, que toda lhe arrepiava, mas acordava com dúvidas. Tinha também o velho tecelão que fornecia há muitos e muitos anos um acolhedor veludo. O melhor que já cobrira sua pele alva e macia. Também vestido nobres damas para os bailes da corte.

Depois pensou no couro, dos animais mais exóticos vindos dos reinos do sul, durável e protetor. Que perduraria por tempos, seria a sua obra de arte, que vestiria para encantos de todos os que lhe vissem.

Mas despertara também um ciúmes tão estranho, um medo que o perdesse. Pior quando se ela fosse decerto que herdariam seu trabalho mais valioso, outras tantas vestiriam. seu maior trabalho e seduziriam com sua criação. Pois então não teve mais dúvidas.

E com as mais belas linhas bordou em sua própria pele os mais bonitos detalhes que nunca, jamais, bordara. Foram seus próprios ossos, puxados com toda precisão, que se alinharam para sua nova e perfeita forma.





Nota: É um rascunho, não está do jeito que pretendia, está incompleto, falho precisando de muitos ajustes. Sobrando coisas, faltando outras tantas. Longe de estar sequer aceitável. Agradeço as sugestões
Enviar um comentário